quarta-feira, março 02, 2016

Um Empate Saboroso

Sim.
Foi um empate saboroso, para o Vitória, face aquilo que tivemos oportunidade de ver no relvado do estádio D.Afonso Henriques.
Onde o Sporting, de longe o melhor dos candidatos ao título que esta época passou por Guimarães, dominou o jogo quase por inteiro face a um Vitória abnegado e lutador mas que teve sempre muitas dificuldades em se livrar do autêntico rolo compressor que a equipa leonina foi em muitos períodos do jogo.
Ao ponto de em toda a partida Rui Patrício apenas ter feito uma defesa apertada, a remate de Licá logo no inicio do jogo, enquanto do outro lado João Miguel fez uma exibição absolutamente notável negando meia dúzia de golos "cantados" aos jogadores sportinguistas.
Um Sporting que apresentou um futebol bem estruturado, a toda a largura do terreno de jogo, fazendo circular a bola com grande rapidez e criando sucessivas situações de envolvimento que perturbavam as marcações da defesa vitoriana e permitiam lances de perigo.
Ao contrário, quando o Vitória tentava sair com a bola controlada e em jogo apoiado, especialmente por Otávio, nunca havia o espaço necessário pelo que paulatinamente o Vitória foi apostando em futebol mais directo (mas sem sucesso) com lançamentos longos para Licá e Valente procurando o espaço nas costas da defensiva leonina.
E por isso foi um jogo de sinal mais para o lado do Sporting que soube sempre aproveitar as debilidades do Vitória, especialmente as muitas perdas de bola nas saídas para o ataque, para empurrar a equipa vitoriana para a sua defensiva e criar os tais lances de perigo que ameaçavam golo a qualquer momento.
Que apenas não surgiu porque João Miguel fez uma exibição espantosa negando o golo a adversários isolados por meia dúzia de vezes a que se acrescentam os cruzamentos que desfez e os remates de longe que defendeu com toda a segurança.
Em termos ofensivos, ao contrário do que sucedera por exemplo nas visitas de Porto e Benfica, é que o Vitória esteve muito abaixo do que lhe tem sido habitual não conseguindo mais que dois lances de relativo perigo (o tal remate de Licá e uma assistência de Dourado a que Bouba chegou atrasado)pese embora ter conquistado alguns cantos e dois livres em zona frontal.
A verdade é que os números não mentem e eles dizem que o Sporting fez o dobro dos remates, teve mais do dobro dos cantos a favor e 70% de posse de bola!
Números a que em Guimarães não estamos habituados.
Sendo igualmente verdade que o Sporting fez mais faltas (20 contra 19) e teve mais cartões amarelos(5 contra 3) mas nenhum vermelho (0 contra 1) e aí reside a diferença fundamental.
 Não porque Josué fosse mal expulso (em vez de segundo amarelo até podia ser vermelho directo)mas porque houve jogadores leoninos que também mereciam ver cartão dessa cor...e não viram.
Rúben Semedo, William Carvalho e Schelotto fizeram o suficiente para isso ainda na primeira parte.
E se o árbitro tivesse tido a coragem necessária a história do jogo podia ter sido bem diferente.
Mas não foi.
E a que realmente foi demonstrou um Sporting forte, um Vitória lutador, abnegado e com fragilidades conhecidas, e um resultado que é simpático para o Vitória face ao que se passou em campo.
Curiosamente o árbitro, que fez um mau trabalho em termos disciplinares e muito irregular em termos técnicos, teve a acabar um erro enorme que podia ter ditado um resultado diferente ao jogo.
Porque aos 93 minutos há penálti de Ruiz sobre Vitor Andrade.
Em cima da jogada , vendo perfeitamente o lance, o árbitro deixou seguir.
Uma "Xistrada" infelizmente habitual em jogos com equipas da segunda circular.
Depois Falamos

5 comentários:

Anónimo disse...

Vale o que vale...

Jorge Coroado: «O contacto foi normal, sem qualquer infracção por parte do jogador do Sporting. O jogador do V. Guimarães procurou o que não tinha direito.»

Pedro Henriques: «Bem julgado, não houve motivo para grande penalidade. Victor Andrade já se tinha desequilibrado quando sentiu o contacto normal de Bryan Ruiz.»

José Leirós: «Não houve qualquer falta nem houve simulação. Tivemos apenas uma disputa e procura da bola, em desequilíbrio. Bom julgamento.»

luis cirilo disse...

São opiniões. Há outras em sentido contrario

Francisco Guimarães disse...

3 opiniões de 3 ex-arbitros que foram todos eles muito "amigos" do Vitória nos seus tempos.
Que nenhum dos 3 marcaria esse penalty já eu sabia e sei-o porque os vi actuar ao vivo nos jogos do Vitória, no nosso e noutros campos por esse país fora!

Por isso "São opiniões" normais desses 3.
E a esses 3 podemos juntar o Sr.Poença, o Sr.Olegário e o (agora) melhor arbitro do mundo, quiçá da Europa(eheh) o Sr.Artur Soares Dias!

Nenhum deles marcaria esse penalty porque TODOS ELES são parte da capa protetora dos chamados 3 grandes e todos eles nutrem um "amor" muito proprio ao único clube de Portugal que se o deixassem poderia crescer ao nivel desse trio!

luisestanislau disse...

Fala-se muito de dualidade de. criterios por parte dos arbitros. E por parte dos comentadores não ha? Esses sao dos tais que, hoje, ha contacto mas normal, sem intensidade. Ontem, hiuve co.tacto, logo é penalti. A favor do sporting sería pebalti sem espinhas e esses experts estaruam unanimemente de acordo

luis cirilo disse...

Caro Francisco Guimarães:
Evidentemente.
Eles protegem-se,quase sempre, uns aos outros.
E quando não o fazem é porque há interesses de um dos três estarolas em perigo.
Por isso concordo plenamente consigo; nenhum deles marcaria aquele penalti naquela área.
Já se fosse na outra...marcavam de certeza.
Caro Luis Estanislau:
Os comentadores são outro dos "braços armados" do "sistema".
Que estão nas televisões não para comentarem futebol (e muito menos para o defenderem) mas apenas para fazer execicios cegos e estupidificantes de clubite. Não perco um minuto a ver esses programas.