quarta-feira, dezembro 12, 2018

Mistificações

No seu comentário televisivo do passado domingo, na SIC, Luís Marques Mendes referiu-se a uma sondagem "que anda por aí" (a expressão não é minha) e que "dá" um excelente resultado ao PS e ao PAN, péssimos resultados ao PSD e ao Aliança e resultados normais a CDS, CDU e Bloco de Esquerda.
É uma sondagem curiosa.
Porque embora profusamente divulgada por SMS, WhatsApp, e-mail e sabe-se lá que mais a verdade é que a sondagem  pura e simplesmente não existe!
Não foi depositada na ERC, como a lei obriga, não se lhe conhece ficha técnica nada mais se lhe conhece que os resultados divulgados ao sabor do interesse de quem pôs a correr a mistificação que mais do que sondagem deve ser vista como uma já corriqueira conversa de amigos com interesses convergentes.
E esses interesses são claros como a água.
Ameaçam com um PS à beira da maioria absoluta, acenam com um bom resultado para o PAN (o que não aquece nem arrefece ), tranquilizam os eleitores de CDS.CDU e BE e depois mostram um PSD com o  pior resultado de sempre e uma Aliança que nada capitaliza com esses presumíveis maus resultados.
Ou seja como o PSD está muito mal,e a Aliança não é alternativa, a solução é mudar a liderança do PSD para alguém que agrade mais aos tais amigos que fazem de conversas sondagens e através delas tentam manipular a opinião pública.
Só não percebe quem não quiser porque não é "gato escondido com rabo de fora" mas sim rabo escondido com o gato todo de fora com a devida licença do PAN para usar esta velha máxima.
Depois Falamos

terça-feira, dezembro 11, 2018

O Melhor

Agora que parecem confirmar-se as (más) notícias do adiamento da estreia do próximo filme da saga "007 James Bond" para 2020, e para piorar o cenário adensando-se as duvidas sobre se vai ser protagonizado por Daniel Craig, é curioso fazer uma reflexão sobre qual dos seis actores que interpretou o personagem o fez melhor.
Embora nisto , como em tantas outras coisas, se use o "cada cabeça cada sentença" é quase consensual entre os fans da saga que Sean Connery terá sido aquele que melhor interpretou o agente com licença para matar.
Porque foi o primeiro, é verdade, e "candeia que vai à frente alumia duas vezes" mas essencialmente porque o actor escocês compôs um 007 que marcou uma época e ficou como a grande referência para alguns dos que se lhe seguiram.
E se Connery é para muitos o melhor o que se lhe seguiu,George Lazenby, é quase unanimemente apontado como o...pior!
Entrou apenas num filme, curiosamente um dos que tem melhor enredo de toda a série, e não deixou saudades.
Roger Moore foi o menos Bond de todos os Bond.
E os filmes por ele interpretados derivaram com demasiada frequência para o burlesco, para a comicidade excessiva, fazendo com que este actor seja mais recordado pelo papel de Simon Templar em "O Santo" (grande série televisiva dos anos 60) do que pelo agente ao serviço de Sua Majestade.
Curiosamente, e prova de uma longevidade sempre destacada, os seis Bond serviram sempre a mesma Majestade,ou seja, a Rainha Isabel II que já era rainha quando a série estreou e rainha continua ainda hoje vinte e quatro filmes depois!
Depois de Moore veio Timothy Dalton que fez a transição do tal Bond burlesco para o registo do Bond de Connery embora ainda longe da imagem de marca estabelecida pelo pioneiro dos actores que interpretaram o personagem.
Pierce Brosnan foi, do meu ponto de vista, um dos actores que melhor encarnou o espírito de James Bond compondo um personagem onde se aliavam o espião, o galanteador, o agente secreto com ordem para matar e tudo isso complementado com alguns dos mais bem sucedidos gadgets fabricados pelo eterno "Q".
E agora Daniel Craig.
O Bond mais na linha de Sean Connery e que radicalizou algumas das características mais marcantes do personagem desde a dureza física à componente emocional numa fase em que a saga ,ao contrário do que sempre acontecera, tem encadeado as histórias umas nas outras com vários fios condutores.
O que também acontecerá no vigésimo quinto filme com a repetição de Lea Seydoux como a "Bond girl" de serviço.
Repetição essa que só acontecera com Maud Adams nos tempos de Roger Moore.
Sendo certo, contudo, que na minha modesta opinião a melhor "Bond girl" de sempre foi Eva Green a "Vesper Lynd" de Casino Royale no primeiro filme de Daniel Craig como James Bond.
E o melhor Bond?
Não sei.
Mas entre Connery,Brosnan e Craig um foi de certeza.
Depois Falamos.

Zanzibar


Doninha


Bratislava


Democracia e Informação IV

O meu artigo desta semana no jornal digital Duas Caras.

Com a concessão pelo Estado dos alvarás de funcionamento a Rádio Fundação e Rádio Santiago, que passaram assim a deixar de ser rádios “piratas” para entrarem na legalidade, a comunicação social em Guimarães entrou numa nova fase na sua já centenária História de vida e serviço à comunidade.
É certo que perderam, ambas, alguma da espontaneidade, improviso, saudável “loucura” que caracterizaram os seus primeiros tempos de funcionamento (embora nesse aspecto da saudável “loucura” a Rádio Guimarães, extinta nessa altura, tenha sido completamente imbatível !!!) para passarem a adoptar uma pose mais institucional que se reforçaria, e muito, nos anos seguintes e até à actualidade em que o seu institucionalismo é manifestamente sinónimo de perda de distância crítica em relação a muitos acontecimentos, protagonistas e instituições.
Mas ainda não chegamos aí.
Com a legalização, e funcionando como qualquer outra empresa, as rádios locais passaram a poder manter um relacionamento comercial e institucional que naturalmente beneficiou as suas actividades e lhes permitiu fontes de financiamento legal que vieram substituir as dádivas de amigos e a publicidade sem recibo (em muitos casos) que caracterizavam a sua actividade nos primeiros anos de vida e não lhe permitiam qualquer expectativa de gestão financeira para lá do mês seguinte passe o exagero.
Creio que a legalização das rádios, a manutenção dos jornais já existentes e o aparecimento de novos títulos significaram que no final dos anos oitenta do século passado e durante a década de noventa até aos primeiros anos do presente século a comunicação social vimaranense viveu o seu período de maior pujança, capacidade informativa, pluralismo político e ideológico e diversidade informativa e opinativa que o advento do novo século não viria, infelizmente, a dar-lhe continuidade.
Guimarães teve ao logo desse período, e para lá das duas rádios locais já referidas, os seguintes títulos a publicarem-se semanalmente:
“Notícias de Guimarães”, o mais lido, vendido e com grande carteira de assinantes (boa parte deles vivendo fora de Guimarães e até do país o que relevava a importância do jornal) que se situava numa área de centro-direita ,embora com pluralismo em termos de colaboradores, e era o mais influente em termos de opinião pública.
“Comércio de Guimarães” que se limitou a sobreviver durante décadas mas após a sua aquisição pela Sociedade Santiago e introdução de uma gestão profissional e com lógica empresarial rapidamente aumentou o número de leitores , assinantes e anunciantes e se viria a tornar no jornal de maior circulação no concelho aproveitando muito bem as sinergias com a Rádio Santiago que fazia e faz parte do mesmo grupo.
“Povo de Guimarães” ,pertencente a uma cooperativa, jornal claramente de esquerda surgido pouco anos após o 25 de Abril e desde sempre dirigido por homens e mulheres afectos ao PS, ao PCP e a outras forças de esquerda mas com colunistas de outras áreas políticas.
Foi agente activo, embora quando precisou de nada lhe tenha valido, da conquista da Câmara pelo PS ao PSD em 1989 dando origem a um ciclo político que ainda se mantém de domínio do município pelos socialistas.
Estes eram os jornais tradicionais das últimas décadas de Guimarães.
Dois anteriores ao 25 de Abril e um surgido logo a seguir.
Depois aparecem mais três.
“Toural”, posteriormente “Expresso do Ave” ,que surgiu na área política do PSD fruto de uma sociedade com 15 membros que tinham projectos ambiciosos na área da comunicação social,mas que se ficaram pelos projectos, tendo o jornal ficado pouco tempo depois da sua fundação nos braços do jornalista José Eduardo Guimarães que conseguiu mantê-lo em publicação durante mais de vinte anos.
Foi no seu tempo um jornal criativo, com rubricas que os outros não tinham, que marcou a diferença em muitas áreas.
O “Tribuna de Guimarães”, um jornal de combate político à câmara socialista, dirigido pelo jornalista e escritor João Barroso da Fonte que trouxe à comunicação social vimaranense um estilo de combate frontal e sem tréguas pouco comum em Portugal mas com sucesso noutros países.
Teve vida efémera mas marcou um estilo.
Finalmente o “Semanário de Guimarães”, pertencente à Rádio Fundação e que pretendia replicar o modelo Rádio Santiago/Comércio de Guimarães, mas cuja publicação não durou muito tempo embora fosse um jornal de fácil leitura e até bastante interessante.
Chegaram a publicar-se os seis em simultâneo e foram, de facto, os anos de ouro da comunicação social vimaranense.

(Continua)

segunda-feira, dezembro 10, 2018

Rio Revolto

O Rio Ave é uma boa equipa.
E por isso estava empatada em pontos com o Vitória, por isso está a fazer um bom campeonato, por isso também era crucial o Vitória vencer o jogo para reforçar a quinta posição e continuar a olhar para cima com a esperança que aqueles que o precedem um dia também percam pontos mais que não seja por o VAR cumprir com honestidade as suas funções e não os ajudar a vencer jogos.
O que não tem acontecido e esta jornada foi mais um triste exemplo disso!
O Vitória entrou bem.
Uma boa primeira parte com futebol de muito bom nível, pressionando o adversário e criando um conjunto de jogadas em que conseguiu colocar em aflição o último reduto vilacondense ao ponto de em desespero de causa este ter cometido duas grandes penalidades que André André aproveitou para fazer dois golos.
Por seu turno o Rio Ave também atacou, procurou o golo a que chegou numa grande penalidade também ela indiscutível, proporcionando uma primeira parte de muito bom futebol de parte a parte mas com ascendente claro do Vitória.
Não sei o que se passou ao intervalo.
Mas sei que o Vitória fez uma péssima segunda parte, quase sempre dominado pelo adversário que foi construindo situações de golo ao ponto de ter empatado e ameaçado mais do que isso, em que apenas criou duas oportunidades claras de golo mas ambas desperdiçou de forma inglória perante o desespero dos adeptos.
Quando o jogo se encaminhava para o fim, e nas bancadas se temia cada vez mais o terceiro golo dos forasteiros, acabou por ser o Vitória que num cabeceamento oportuno de Pedro Henrique fez o terceiro e garantiu um triunfo que não lhe assenta mal mas podia ter assentado bem melhor.
Pelo caminho há que registar que na forma como Luís Castro mexeu na equipa apenas se aproveita a troca de Rafa Soares (uma segunda parte aflitiva depois de um bom primeiro tempo) por Florent porque a saída de Matheus Oliveira foi um erro que nos fez perder o meio campo ( Ola John passou completamente ao lado do jogo parecendo longe da melhor forma) e quando Davidson saiu era Estupinan e não Pepê quem devia ter entrado porque com o resultado em 2-2 havia que procurar o triunfo.
De facto o treinador do Vitória (não sei se à hora que escrevo ainda o é mas isso é assunto para outro texto) parece ter dificuldade em admitir que às vezes é preciso jogar com dois pontas de lança em simultâneo especialmente em casa e contra adversários mais ou menos fechados.
Salvaram-se os três pontos e a moralização de mais uma jornada positiva que permite ao Vitória continuar a ser a equipa do campeonato que não perde há mais tempo.
A seguir vem o Aves, fora, e o Sporting em casa nos dois últimos jogos de 2018.
Será bonito acabar o ano com dois triunfos.
O árbitro Nuno Almeida esteve bem nas três grandes penalidades que marcou , menos bem nalguns lances em que foi minucioso em demasia e muito mal na tolerância para com Fábio Coentrão e os seus constantes protestos.
Mas de Nuno Almeida se há coisa que é escusado esperar são arbitragens de qualidade.
Depois Falamos

quarta-feira, dezembro 05, 2018

Incómodos

Nem lhe vou chamar polémica, porque não polemiza quem quer mas apenas quem pode (e por caridade cristã nem explano o pensamento para lá disto), mas é perceptível que existem alguns "incómodos" com o candidato escolhido pelo partido Aliança para encabeçar a lista ao Parlamento Europeu.
Os incómodos, que tem verdadeiramente a ver com a qualidade do candidato e o factor de inovação que introduzirá no cenário político, tem sido disfarçados através de criticas à sua posição de consultor do Presidente da República considerando que em função disso não deveria ser candidato de um partido ou para o ser devia abandonar as funções que exerce em Belém.
Tristes conceitos de democracia antes de mais!
Porque nem é situação nova (e o partido em que alguns militantes , que não o líder honra lhe seja feita, mais se tem mostrado incomodados é o último que teria moral para se incomodar...) nem o facto de exercer em "part time" funções de consultoria inibe quem quer que seja de exercer os direitos políticos que a Constituição da República lhe garante.
Naturalmente, e o bom senso quer do candidato quer do Presidente há muito o estabeleceram, que quando a campanha eleitoral se aproximar essas funções cessarão para que não exista, aí sim, qualquer indesejável mistura entre a qualidade de consultor e o estatuto de candidato.
E por isso esses "incómodos", materializados até em disparatadas e virulentas criticas ao Presidente da República que apenas não são mais significativas porque... ( a já referida caridade cristã impede-me de explicitar), mais não servem do que para traduzir a preocupação com a qualidade do Paulo Almeida Sande e o receio de que a candidatura que encabeça  abale seriamente "feudos" antigos.
Mas com isso pode a Aliança bem.
Depois Falamos

Fim

A atribuição da "Bola de Ouro" a Modric, a exemplo de prémios que misteriosamente já lhe tinham sido atribuídos por UEFA e FIFA fazendo dele o que ele nunca foi (melhor jogador da Europa e do mundo na época passada incluindo mundial e liga dos campeões) marca o fim de um ciclo em que esse prémio era atribuído a quem de facto tinha sido o melhor, ou perto disso, durante toda uma época desportiva.
Modric não foi.
E enquanto dois jogadores como Ronaldo e Messi jogarem ao nível que tem jogado na última década é completamente incompreensível que o prémio seja atribuído a outro que não um deles como regularmente aconteceu nas últimas dez edições.
Modric não ganhou nada que Ronaldo não tivesse ganho sendo certo que para as vitórias comuns ao serviço do Real Madrid o contributo do português foi incomensuravelmente superior ao do croata.
Quanto a Messi, apenas décimo segundo (???) nas "votações" deste ano ganhou vários títulos individuais e colectivos (Campeão de Espanha e melhor marcador do campeonato entre outros) para além de ter jogado um futebol cuja qualidade é superior à de Modric.
Deram a "Bola de Ouro" a Modric e com isso mataram o prestigio do prémio.
Porque noutros anos, ganhando Ronaldo ou Messi e havendo sempre debate qual dos dois a merecia mais, ganhava seguramente um dos dois melhores.
Este ano ganhou um que não foi nem nunca será o melhor do mundo.
É um grande jogador mas a cujo nível existem mais de uma dúzia idênticos e alguns até superiores para lá da dupla luso argentina.
Em suma também a "Bola de Ouro" se transformou num prémio como qualquer outro.
Depois Falamos.

quarta-feira, novembro 28, 2018

Natural.

A derrota, e a expressão da mesma, do Benfica em Munique é das coisas mais naturais que esta temporada futebolística nos ofereceu até ao presente momento.
Falemos da realidade.
E a realidade diz-nos que o Bayern é muito melhor que o Benfica, jogador a jogador e portanto com um plantel inquestionavelmente melhor em todos os capítulos sem qualquer excecpção.
Mais golo menos golo, salvo uma tarde muito infeliz dos alemães ou excepcionalmente feliz dos portugueses, o resultado nunca poderia ser outro que não uma vitória tranquila daquela que é a melhor equipa.
Claro que para os adeptos, e aí podem variar os clubes mas dificilmente variam as lógicas, é muito mais fácil culpar o treinador pelos insucessos e exigir a sua substituição do que olhar a realidade de frente e perceber que com Rui Vitória ou Pep Guardiola o plantel é aquele e não dá para mais do que para tentar uma carreira decente na Liga Europa.
Hoje nenhum clube português pode aspirar, racionalmente, a vencer a Liga dos Campeões.
Porque nenhum tem categoria para isso em termos de valia do respectivo plantel.
Há no futebol europeu em termos de Liga dos Campeões uma primeira divisão constituída pelos que vencem os grupos ou ficam em segundos nos grupos mais fortes e que depois disputam as várias etapas até à final, uma segunda divisão constituída pelos que passam a fase de grupos mas depois dificilmente passam dos oitavos de final, uma terceira divisão composta pelos que após a fase de grupos são relegados para a Liga Europa e uma quarta divisão para os últimos classificados de cada grupo.
As equipas portugueses, actualmente, apenas podem aspirar a competir na segunda divisão pelo que o previsível apuramento do Porto para os oitavos, de onde dificilmente passará, e a ida do Benfica para a Liga Europa correspondem plenamente a essa realidade.
Que é dolorosa para os adeptos desses clubes mas nem por isso deixa de ser realidade.
Depois Falamos.

Porta Aviões "Nimitz"


Toledo


Camaleão

Foto: National Geographic

terça-feira, novembro 27, 2018

A Estrela

O meu artigo desta semana no jornal digital Duas Caras.

Como bom minhoto e bom vimaranense faço parte daqueles, e muitos são, que tem nos prazeres da vida um lugar guardado para a degustação da boa gastronomia não só a da região Minho como também a de outras zonas do país.
E por isso comprador habitual de alguns guias gastronómicos, curiosamente não o que motiva este texto, nos quais se vão encontrando a par de algumas banalidades bem dispensáveis outras sugestões que se revelam autênticos achados pela qualidade da restauração que neles se pratica.
Ainda bem recentemente, e ao sabor de uma das muitas viagens para Lisboa, fui parar por mero acaso a um restaurante nos arredores de Pombal (Pote dos Leitões) que se revelou um verdadeiro achado não só na elevada qualidade do que se comeu, das entradas à sobremesa passando por magnífico leitão assado que fez jus ao nome da casa.
E apenas lá fui parar, somado ao facto de o restaurante onde realmente tencionava ir estar completamente cheio, porque esse “Pote dos Leitões” constava de um guia gastronómico (O Boa Cama Boa Mesa ,do Expresso) que trago habitualmente no carro para “emergências” desse género.
Há no mundo inteiro, sem qualquer dúvida, um sector constituído pelo turismo gastronómico que assume cada vez maior importância, movimenta cada vez mais pessoas e consequentemente tem um cada vez maior impacto económico a que ninguém pode ficar indiferente.
E por isso também são cada vez mais as publicações que se dedicam a divulgar restaurantes e outras casas de comer porque tem público, tem compradores e também eles geram proventos que não são de desdenhar.
O Guia Michelin é , porventura, o mais antigo de todos eles e seguramente aquele que em todo o mundo tem mais prestigio e reconhecimento face à sua centenária actividade e ao valor que o público dá às suas recomendações.
Direi até que no especifico mundo do gastronomia nada dá mais prestigio a um restaurante que o ter uma, duas ou três estrelas Michelin (claro que quantas mais melhor) pelo certificado de qualidade que isso constitui e pelo numerosa clientela que atrai para as suas mesas.
Há hoje, especialmente na Europa mas já alastrando a outros continentes, um tipo de “Cliente Michelin”, normalmente de um estrato económico de muito bom nível face até aos preços praticados na maioria desses restaurantes “estrelados”, que percorre esse tipo de restaurantes quase como quem colecciona cromos para uma caderneta.
E também por isso, por essa clientela de referência, é muito importante para um restaurante constar do pequeno livro vermelho como detentor de um desses galardões.
Na Europa, especialmente em França onde o “Guia Michelin” teve origem mas também noutros paises onde há o culto da boa gastronomia como Itália ou Espanha, tem-se multiplicado nos últimos anos os restaurantes com estrela(s) na que é também uma sudável competição entre os grandes cozinheiros alguns dos quais ostentam nos vários restarantes que dirigem quase uma galáxia.
Portugal também está há alguns anos na rota dos inspectores do “Guia” embora mande a verdade dizer que sem o reconhecimento e benevolência que se constata noutros paises,entre os quais os acima referenciado, onde ter e manter estrelas é notoriamente mais fácil que em Portugal.
Ainda assim Lisboa, Porto, Algarve foram tendo os seus restaurantes com apenas  uma estrela durante anos até que mais recentemente alguns mereceram a segunda mas não existindo ainda nenhum que tenha merecido dos inspectores a terceira.
Este ano o Guia descobriu que há mais Portugal.
E embora a “Casa da Calçada”, em Amarante, já tivese sido galardoada no passado não deixava de ser um estabelecimento na periferia do Porto pelo que a  atribuição de estrelas a um restaurante de Bragança e a outro de Guimarães significou a primeira “descentralização” efectiva do Guia.
Guimarães sepre foi uma terra de boa comida, bons restaurantes e bons petiscos.
De grandes cozinheiros e grandes cozinheiras.
Mas agora, por mérito de António Loureiro e da equipa que com ele trabalha no “A Cozinha”, passa a estar no roteiro dos grandes restaurantes europeus consagrados pela atribuição de estrelas Michelin.
É uma honra para o cozinheiro, para o restaurante e para Guimarães.
Uma honra que importa manter nos próximos anos seguramente com a ambição de vir a conquistar mais estrelas, mais reconhecimento e maior prestígio nacional e internacional.
E, naturalmente, mais um motivo para atrair à cidade mais turistas e,nomeadamente, turistas desses sector tão especificio como é o turismo gastronómico.

domingo, novembro 25, 2018

Ronaldo & Outras Coisas

O meu artigo desta semana no zerozero.

Já todos sabemos que tudo aquilo que diga respeito a Cristiano Ronaldo, seja dos golos que continua a marcar em doses industriais seja da sua vida privada passando por uma enorme multiplicidade de outros assuntos é notícia e chama a atenção de milhões de pessoas em todo o mundo ou não fosse ele uma personagem de mediatismo mundial.
Não admira, portanto, que a sua ausência da selecção desde o Mundial da Rússia se esteja a tornar um assunto cada vez mais discutido face aquelas, que não podem deixar de ser consideradas como estranhas, sucessivas ausências do “onze” nacional.
O facto de nem FPF nem seleccionador terem dado até hoje uma explicação sobre o assunto também não ajudou, como é bom de ver, ao seu entendimento pelo que é assunto que promete durar por mais algum (bastante?) tempo.
Claro que se podiam refugiar nas questões de “opção técnica” mas seria pior a emenda que o soneto porque para quem segue o campeonato de Itália, como é o meu caso, é perfeitamente evidente que o jogador está num grande momento de forma e a marcar golos a um ritmo que lhe é habitual pelo que seria motivo mais que suficiente para se duvidar da sanidade mental de um seleccionador que o deixasse de fora por “opção técnica”.
A razão terá de ser outra.
Provavelmente prender-se-á com a gestão de esforço do jogador, que sendo um super atleta não deixa nem por isso de caminhar para os 34 anos de idade, a exemplo do que Zidane já fizera com grande sucesso nas duas últimas temporadas que ambos passaram no Real Madrid (um como treinador e o outro como jogador) e em que dessa gestão resultou um Ronaldo em grande forma física na altura decisiva das épocas permitindo-lhe aparecer ao melhor nível, por exemplo, nas finais da Liga dos Campeões.
Provavelmente será mesmo isso e a intenção é que a selecção nas fases decisivas, como a “Final Four” da Liga das Nações em Junho do próximo ano (Porto e Guimarães) tenha o seu melhor jogador nas melhores condições.
Entende-se a opção e louva-se a forma como a selecção sem Ronaldo conseguiu o apuramento, sem derrotas, rubricando até exibições de muito bom nível com excepção da primeira parte do jogo em S. Siro em que a equipa esteve quase irreconhecível.
Mas é uma opção que tem dois riscos associados.
Uma é gerir os jogadores que deram o seu contributo à selecção nestes jogos e que podem muito bem, e ninguém lhes pode levar isso a mal, estranhar que quem não esteve disponível para fazer a fase de apuramento apareça agora para fazer a fase final que é sempre muito mais interessante a vários níveis desde logo pelo mediatismo que encerra a nível europeu e até mundial.
É verdade que não é a primeira vez que isto sucede porque em 2006 depois de ter anunciado a sua retirada (o que tinha um peso ainda maior), e não ter feito a fase de apuramento para o Mundial da Alemanha, Luís Figo disponibilizou-se para jogar a fase final tendo sido naturalmente convocado por Scolari.
Na altura embora se tivesse percebido um ou outro “ranger de dentes” a verdade é que todos os jogadores perceberam que com Figo a selecção era mais forte e acabou, em boa verdade, por fazer um excelente Mundial.
Acredito, até pelo “peso” de Ronaldo no grupo, que desta vez sucederá o mesmo embora possa existir sempre o tal risco de este ou aquele entenderem menos bem a opção.
Mas há outro risco nesta opção e esse parece-me mais sério.
Que são os clubes onde jogam os restantes seleccionados e muito em especial aqueles que disputam títulos nacionais e internacionais, e que portanto não querem ver os seus jogadores expostos a sobrecargas competitivas, que seguramente não acharão piada nenhuma a verem os seus jogadores consecutivamente convocados enquanto Ronaldo (com consequente benefício da Juventus) passa ao lado dessa sobrecarga.
Acontece que alguns desses clubes disputam o campeonato de Itália e outros a Liga dos Campeões com a Juventus e podem entender esta opção de Fernando Santos (e ou de Ronaldo) como um favorecimento indevido a um clube.

E isso sim pode ver a causar…aborrecimentos!

terça-feira, novembro 20, 2018

Castelo de Kilchurn, Escócia


Lago Peyto, Canadá


Flamingos


Radialistas

Gosto muito de rádio.
É daqueles gostos que já tinha antes de o ter porque me lembro, desde sempre, de ser um ouvinte atento dos programas de rádio reportando ao tempo em que apenas havia a Emissora Nacional (agora Antena 1) , a Rádio Renascença e o Rádio Clube Português que emitiam durante o dia e parte da noite mas sem emissões de 24 horas.
Lembro-me bem que ainda miúdo, e num tempo em que RTP apenas emitia a partir do fim da tarde, em casa dos meus avós ouvia-se rádio enquanto se almoçava e especialmente um programa de humor muito popular na época chamado "Parodiantes de Lisboa" (em Lisboa sempre houve parodiantes e continua a haver...) que tinha muita piada e grandes audiências.
Ouvia os relatos do futebol quando o Vitória jogava fora, nas então chamadas emissões em cadeia com repórteres em todos os estádios (tempos houve em que davam dois ou três relatos,já se sabe de quem, e dos outros apenas informações ao intervalo e no final), sempre na esperança de ouvir um golo vitoriano e também os relatos dos jogos de hóquei em patins da selecção nacional que ao tempo eram extremamente populares.
Depois com o passar dos tempos fui ouvindo menos rádio até que com o advento das rádios locais passei a ouvir e a fazer rádio, como já referi por variadas vezes neste blogue, o que correspondeu a um largo período de reacendimento do gosto pela rádio.
Findo esse período, e também o da colaboração mais ou menos esporádica com as duas rádios de Guimarães, passei a ouvir rádio apenas nas viagens de automóvel entremeando as rádios com os CD e com estes a ganharem terreno todos os dias face ao que a rádio é hoje.
E hoje a rádio é cada vez mais uma "seca".
Nem falo das de Guimarães, que deixei de ouvir há anos, mas das nacionais onde a única coisa que se salva é mesmo a música porque a qualidade da locução e os supostos programas de entretenimento são de muito fraca qualidade (há excepções...) e os programas com telefonemas de ouvintes completamente impossíveis de ouvir.
Já para nem falar daqueles locutores dos programas da manhã que tem a mania que tem muita piada e que são simplesmente insuportáveis.
Por isso, hoje, ouço muito pouca rádio.
E tenho pena.
Depois Falamos.

Daniel Barreto

O meu artigo desta semana no jornal digital Duas Caras.

Quando alguém desaparece fisicamente do mundo dos vivos a tendência é sempre escrever umas palavras em que se manifesta a tristeza pelo infausto acontecimento acompanhadas de louvores póstumos mais ou menos adequados ao falecido.
Falo por experiência própria, porque já o fiz por diversas vezes, mas neste texto vou procurar fazer algo diferente deixando algumas memórias pessoais do Daniel jogador e do Daniel cidadão.
Por estes dias o Vitória perdeu uma daquelas “eliminatórias” em que não há segunda volta possível com o falecimento de Daniel Barreto que era uma das grandes referências do clube, há mais de cinquenta anos, e que perdurará na memória de todos quantos o viram jogar e tiveram o prazer de o conhecer.
Embora existam versões diferentes, em termos de prazos temporais, a minha convicção é que Daniel Barreto jogou vinte temporadas consecutivas no Vitória o que o torna não só em recordista absoluto em número de épocas (e esse recorde parece-me completamente imbatível) como também no número de jogos disputados na primeira divisão o que sendo difícil de ultrapassar não é impossível dado que hoje o número de jogos é maior do que nos seus tempos de jogador.
Quando Daniel chegou ao Vitória, e aqui começou a construir uma bonita carreira, eu não era sequer nascido pelo que a minha memória dos seus tempos de jogador abarca apenas os últimos quatro ou cinco anos em que vestiu a nossa camisola antes de ir terminar a sua carreira em clubes de menor expressão como era e continua a ser tradicional no nosso futebol.
Mas essa memória dos anos finais de carreira está ainda hoje bem viva.
Daniel era um defesa lateral esquerdo, embora às vezes também jogasse à direita ou em posições mais adiantadas, cheio de raça, que nunca dava uma bola por perdida e que fazia gala de levar à prática aquele velho princípio de que ou passa a bola ou passa o homem porque os dois é que nunca!
Era duro na marcação, implacável na abordagem da bola mas de uma enorme lealdade e absolutamente incapaz de lesionar propositadamente um adversário embora por norma entrasse “com tudo” como se diz na linguagem futebolística.
Recordo especialmente, dado o mediatismo desses jogos, os seus duelos com um dos melhores extremos direitos da História do nosso futebol, José Augusto do Benfica, em que Daniel compensava o virtuosismo e velocidade do adversário com uma notável entrega ao jogo e o recurso às tais marcações implacáveis que o tornavam temido por todos os adversários.
Recordarei sempre algumas conversas que com ele mantive e em que referia esses duelos apimentando as histórias que contava com saborosos pormenores das trocas de palavras entre ambos especialmente no tempo em que os jogos se disputavam no saudoso pelado da Amorosa que proporcionava (face às menores dimensões do recinto em comparação com o relvado do D.Afonso Henriques) muito maior contacto entre os jogadores.
A melhor delas refere um jogo em que andavam particularmente “picados” e em que Daniel aproveitou uma jogada perto da entrada para o balneário do Vitória para com oportuna carga de ombro atirar José Augusto pelas escadas abaixo.
Claro que esta parte da escada e do balneário só será integralmente percebida por quem tiver conhecido o campo da Amorosa.
Essa memória que tenho de ver Daniel Barreto jogar é indissociável do facto de ter jogado numa das melhores equipas que me lembro de ver no Vitória, provavelmente a melhor mesmo, que foi aquela que em 1968/1969 ficou em terceiro lugar a três escassos pontos de ser campeã nacional um título que seria mais do que merecido pela grande temporada feita e pelas grandes exibições protagonizadas.
Dois ou três empates caseiros no início da temporada mais um “roubo de igreja” a três jornadas do fim, numa derrota no Restelo num jogo em que para o Belenenses nada estava em jogo face à sua posição tranquila na tabela, impediram o Vitória de se sagrar campeão permitindo que uma forte equipa do Benfica revalidasse o título nacional.
Depois de terminar o seu percurso no Vitória, como jogador, ainda jogou mais dois ou três anos noutros clubes regressando posteriormente ao “seu” clube como treinador adjunto de Mário Wilson nele se mantendo durante vários anos em que por uma ou outra vez teve de assumir a responsabilidade de treinador principal naquele fenómeno tão típico das “chicotadas psicológicas” em que o adjunto assegura a equipa enquanto não chega o novo treinador.
Comerciante de pronto a vestir no centro histórico Daniel Barreto fez de Guimarães a sua terra (era natural de Ponte da Barca) mantendo sempre uma enorme ligação ao Vitória através das “Velhas Guardas” de que era grande dinamizador e treinador em tantos jogos e em que tanto orgulho tinha.
Foi nesse tempo que o conheci e que tive mais oportunidade de com ele conviver porque as funções que então desempenhava de secretário-geral na direcção me permitiram estar presente em vários momentos de encontro das referidas “Velhas Guardas”.
E quantas saborosas histórias sobre futebol lhe ouvi.
Mas também prezava a sua opinião, quase sempre antes ou no intervalo dos jogos a que assistia na tribuna VIP, sobre os actuais jogadores do clube, o seu potencial, os seus pontos fortes e fracos.
Recordo que em 2012, nos meses em que integrei a primeira direcção de Júlio Mendes com a responsabilidade do futebol, por mais que uma vez procurei saber a sua opinião sobre este ou aquele jogador do clube ou de adversários que nos defrontavam porque confiava muito na sua experiência e na sabedoria sobre toda a matéria futebolística.
Foi um bom jogador, um excelente cidadão e um amigo que recordarei sempre com o respeito e o carinho devido aqueles que deixaram uma marca tão positiva em todos quantos com eles se relacionaram.
O Vitória perde um grande vitoriano, uma grande referência do clube mas ganha uma lenda que se vai juntar a outros cujas obras valorosas fizeram e fazem do nosso Vitória uma autêntica lenda do nosso desporto.
Obrigado Daniel Barreto.

Mal

Acho despropositado, e de mau tom, o aproveitamento político que a Câmara Municipal de Guimarães está a tentar fazer da atribuição à cidade de uma das sedes da "Final "Four da Liga das Nações. 
Nomeadamente atribuindo-a a um reconhecimento da política desportiva do município quando nada , mas nada mesmo, tem a ver com isso! 
Guimarães foi escolhida por razões muito simples. 
Porque a FPF, nomeadamente através da influência do presidente Fernando Gomes e do director geral Tiago Craveiro, entendeu que era a melhor opção para juntamente com o Porto organizarem essa fase final.
 Porque o Vitória tem um estádio e um complexo desportivo que garantem todas as condições necessárias a jogos e treinos das selecções que em Guimarães jogarem.
 E, finalmente, porque Guimarães faz a diferença em relação a outras eventuais posssibilidades porque é a única cidade e o único estádio que garantem casas cheias fora de Lisboa e do Porto.
 E isso deve-se aos vitorianos e a mais ninguém.
O resto é treta.

quarta-feira, novembro 14, 2018

Aveiro


Leão


Farol


Guedes

Quando no início da presente temporada o Vitória contratou ao Desportivo das Aves o avançado Alexandre Guedes fui daqueles que viu a contratação com bons olhos, face ao percurso do jogador, mas sem grandes expectativas quanto ao seu rendimento prático.
Tinha dele a ideia de ser um avançado rápido, com boas movimentações na frente de ataque, especialmente talhado para o contra ataque e capaz de garantir alguns (poucos) golos por época.
É certo que vinha especialmente "recomendado" pelo grande jogo na final da última taça de Portugal em que os seus golos garantiram ao Aves a conquista do troféu, face a um Sporting ainda meio "Alcochetado",mas  numas condições tão especificas que por si só não garantiam ter sido mais que uma tarde de inspiração individual.
As primeiras semanas no Vitória confirmaram essa ideia e o seu desaparecimento da equipa durante alguns jogos pareciam apontar para um novo Sturgeon incapaz de garantir num clube com a dimensão do Vitória o rendimento alcançado noutro clube cujas ambições e exigências são bem menores.
A verdade é que essas semanas nas quais Luís Castro o terá trabalhado especificamente na discrição do complexo desportivo,e longe dos olhares de adeptos e jornalistas, permitiram o aparecimento de um "novo" Guedes.
Ao ponto de poder considerar que é o jogador do actual plantel que  me tem surpreendido de forma mais agradável e a continuar assim apresenta perspectivas de evolução que três meses atrás seriam impensáveis.
Apareceu a fazer golos, a jogar como um ponta de lança que além de marcar serve os colegas e é exímio a segurar a bola, a evidenciar movimentos correctissimos para a função que desempenha.
Pode-se dizer, e o futuro o comprovará, que Luís Castro transformou um avançado num ponta de lança o que não sendo nada fácil constitui mérito indiscutível para o trabalho do treinador e para a aprendizagem do jogador.
Importa agora que Guedes continue a evoluir.
Ficando a curiosidade de perceber o que poderá render num sistema em que a equipa jogue com dois pontas de lança, e não no 4x3x3 que tem caracterizado o esquema táctico da equipa, potenciando as suas qualidades goleadoras através dos espaços que o outro ponta de lança lhe poderá abrir.
Depois Falamos.

terça-feira, novembro 13, 2018

Aliança

O meu artigo desta semana no Duas Caras.

Como alguns leitores saberão decidi, depois de quarenta e três anos de militância iniciados na JSD em 1975, deixar o PSD por razões que nada tem a ver com o resultado das últimas directas do partido nem com a liderança de Rui Rio mas apenas com uma reflexão profunda que fiz sobre as razões para continuar ou não a militar num partido no qual passei boa parte da minha vida.
Foram meses de reflexão que me levaram a concluir que era tempo de terminar um longo percurso comum e seguir outro caminho que não sendo substancialmente diverso é ainda assim bastante diferente.
Devo dizer que não saí aborrecido com rigorosamente ninguém e creio que as muitas pessoas dentro do PSD com quem estabeleci relações de amizade, nalguns casos com décadas de duração, lamentando a minha decisão compreenderam-na e não ficaram aborrecidas.
Porque entenderam que sair de uma “casa” onde se passou quarenta e três anos obedece seguramente a fortes imperativos de consciência.
E portanto o PSD, para mim, passou a ser passado.
Passado de que guardo muitas e excelentes recordações, especialmente das amizades que construi por todo o país, mas de que também não posso evitar a recordação de alguns momentos maus que em bom rigor até poderiam ter provocado uma saída bem anterior aos tempos actuais.
Adiante.
Uma vez desfiliado do PSD e no âmbito de conversas que mantinha periodicamente com Pedro Santana Lopes, que já tinha apoiado nas directas de 2008 (disputadas com Pedro Passos Coelho e Manuela Ferreira Leite), concluí que o partido que ele e um vasto conjunto de pessoas estavam a fundar encerrava em si um projecto político atraente, inovador e situado numa área ideológica na qual me revia com grande facilidade e potenciador de uma esperança de renovação do nosso sistema político-partidário.
E aderi ao Aliança.
Sabedor que depois de ter deixado um grande partido, um dos fundadores do nosso regime democrático com quatro décadas de uma História de que se pode orgulhar, passaria a alinhar nas hostes de um partido que quer ser grande mas que ainda tem um longo e árduo caminho até conseguir sê-lo de facto.
Mas um caminho com um percurso bem definido.
Um caminho que passa por saber de forma clara quem são os adversários, quem são aqueles com quem nos podemos entender em prol de Portugal e quais são os objectivos a que nos propomos em termos internos e externos.
Em termos internos passam por construir um partido moderno, com uma base digital importante, com militantes comprometidos com o projecto, uma estrutura de funcionamento “leve”, sem organizações autónomas (sejam de juventude, sindicais, autárquicas ou as inaceitáveis baseadas no género), poucas sedes físicas e o direito ao voto dos militantes independentemente de ter ou não cotas pagas.
Complementarmente uma Academia de formação para jovens em idade entre os 14 e os 23 ou 25 anos (ainda não está completamente decidido) que proporcionará aos jovens de todo o país que nela queiram participar uma efectiva formação política mas sem que os seus responsáveis tenham direito a inerências nos órgãos políticos, nas presenças em congressos e menos ainda nas listas candidatas a eleições externas.
Perguntarão os leitores se os jovens não terão lugar nos órgãos, nos congressos e nas listas candidatas a autárquicas, legislativas, europeias e regionais?
Terão.
Pelo mérito e não pela idade.
Em termos externos o objectivo imediato passa por concorrer a todos os actos eleitorais do próximo ano, com listas próprias e programas políticos ambiciosos, atraentes para eleitores desiludidos e abstencionistas “crónicos” e que reflictam a diferença que queremos fazer em relação aos partidos mais antigos do nosso sistema político.
Contribuindo dessa forma, e muito em especial pela mobilização dos tais eleitores que não votam abstendo-se eleição após eleição, para o reforço da área política do centro e da direita democráticos oferecendo assim a Portugal uma alternativa à Frente de Esquerda que nos governa depois do “arranjinho” de 2015.
Vimos para fazer melhor e fazer diferente.
Não pelas palavras, que são sempre fáceis de proferir, mas sim pelos actos concretos que são o melhor exemplo que se pode oferecer quanto à seriedade das intenções e à validade do que nos propomos fazer.
E a concluir deixo um exemplo, concreto, de como nos propomos fazer diferente dos partidos tradicionais.
Nunca o Alentejo, uma das regiões mais pobres, desertificadas e esquecidas do país, recebeu o congresso de um partido político ao invés de praticamente todas as outras regiões à excepção de Trás-os-Montes também ela sistematicamente ignorada.
Provavelmente porque os partidos consideram que sendo o Alentejo uma região pouco densamente povoada, ou seja com poucos eleitores, não valerá a pena apostarem nela para obterem efeitos eleitorais dessa opção.
Pois o Aliança vai realizar o seu congresso fundador em Évora.
Levando ao Alentejo pela primeira vez um congresso partidário e dando o claro sinal de que olha todo o país por igual independentemente de haver muitos ou poucos eleitores na região onde realiza o seu evento.
É um exemplo que fica como marca do início de percurso do Aliança.

segunda-feira, novembro 12, 2018

Castelo de Almodovar, Espanha


Capri,Itália


Besouro-Veado


Ainda Guttmann

O meu artigo desta semana no zerozero.

Um dia Béla Guttmann, o velho “feiticeiro” que deixou uma marca (e ao que parece também uma maldição…) imorredoura no futebol português, afirmou que as equipas portuguesas não tinham rabo (o termo, enfim, foi mais vernáculo) para duas competições importantes o que por outras palavras significava que ou lutavam para ganhar o campeonato ou para a ganhar a então denominada taça dos campeões europeus.
Não tenho a certeza mas creio que fez essa afirmação no rescaldo de um campeonato perdido para o Sporting em 1961-1962 por um Benfica acabado de ganhar a taça dos campeões.
Queria com isso dizer que as equipas portuguesas não tinham recursos humanos (ao tempo era apenas disso que se tratava) que lhe permitissem ser altamente competitivas durante toda uma época nas duas mais importantes competições que disputavam.
Hoje o panorama é radicalmente diferente para pior.
Porque as equipas portuguesas que tem acesso à Liga dos Campeões nem tem equipa, nem plantel, nem recursos financeiros que lhe permitam sonhar com mais do que a passagem da fase de grupos e a chegada aos quartos-de-final porque a partir daí a “música” é outra e é impensável nos próximos anos ver uma equipa nacional conseguir chegar a uma final (ou até meias finais) dessa competição.
Quando muito podem aspirar a vencer a Liga Europa e mesmo aí será cada vez mais difícil.
Recordei-me muito dessa frase de Béla Guttmann quando na passada quarta-feira estive, a convite de um amigo, no estádio da Luz a assistir ao Benfica-Ajax a contar para a quarta jornada da Liga dos Campeões num jogo que pôs frente a frente dois clubes que já deram cartas na Europa mas hoje estão nessa circunstância de apenas poderem aspirar a passar a fase de grupos e pouco mais.
E estão nessa circunstância pela simples razão de não terem dinheiro que lhes possibilite contratarem os jogadores em quantidade e qualidade necessárias a poderem ter outro tipo de ambições e disputarem com os mais ricos da Europa de igual para igual ou pelo menos com uma diferença não tão abissal.
É certo que ambos os clubes, e muito em especial o Ajax que tem décadas de bom proveito nessa política, tem formado muitos e bons jogadores que, contudo, se vêem obrigados a vender a emblemas com outros argumentos financeiros o que os impede de estruturarem equipas durante alguns anos com o consequente reforço de competitividade.
Bastará pensar no caso dos encarnados que jogadores como Bernardo Silva, Renato Sanches, Nélson Semedo, André Gomes, Gonçalo Guedes e Victor Lindelof não só seriam titulares de caras na actual equipa como lhe dariam um enorme acréscimo de qualidade e natural reforço das suas ambições nas diversas provas em que se encontra envolvida.
A verdade é que já não moram na Luz e isso é visível a olho nu!
O que leva a uma segunda reflexão, ainda à boleia de Guttmann, e que tem a ver com a exigência dos adeptos face à realidade do plantel benfiquista e a crescente insatisfação com o trabalho de Rui Vitória.
Vi os lenços brancos no fim do jogo, ouço e leio comentários diversos nas redes sociais e na imprensa, constato que o treinador do Benfica se encontra numa situação frágil e completamente dependente da firmeza de Luís Filipe Vieira para poder continuar em funções.
Mas interrogo-me se os adeptos estão a ver bem as coisas e se os seus naturais sonhos de grandeza para o seu clube (decalcados de um passado que não volta é oportuno dizê-lo) tem correspondência na valia da equipa e nas possibilidades reais de disputar competições.
Rui Vitória treina o Benfica há três anos.
Ganhou dois campeonatos e no último ficou em segundo lugar, o que globalmente tem de se considerar como excelente face à realidade do nosso futebol, para além de uma taça de Portugal, uma taça da liga e uma supertaça.
“Fez” e lançou alguns dos jogadores atrás referidos (à excepção de Bernardo Silva), para além de Ederson e outros que não vieram do Seixal mas foi ele que teve a coragem de apostar neles, e deles se viu privado mal deram nas vistas e foram transferidos para outros clubes com a natural perda de qualidade para a equipa mas sólidos proveitos para os cofres do clube.
E tudo isso resultou no actual Benfica que tem claramente o pior plantel em quantidade e qualidade dos últimos dez anos.
Volto a Guttmann.
Hoje a questão nem é saber se o clube tem rabo para duas cadeiras, porque é evidente que pelo menos para uma não tem nem nada que se pareça, mas se o rabo que tem chega ao menos para a cadeira do campeonato.
Duvido mas o futuro o dirá.
E uma nota final:
Quando assistia ao jogo com o Ajax não pude deixar de ouvir a conversa (um deles em bom rigor apenas dizia que sim) de dois adeptos do Benfica, sentados no camarote na fila atrás daquela em que eu estava, em que as criticas a Rui Vitória, à equipa e às exibições eram constantes.
E a certa altura o mais indignado manifestou a sua revolta por o Benfica estar classificado atrás do Porto quando na sua opinião tinha muito melhor equipa que os “dragões” !!!
Sorri, não comentei porque a conversa não era comigo, mas não deixei de pensar que na minha modesta opinião nenhum jogador do actual Benfica seria titular do actual Porto enquanto no banco do Porto há jogadores que seriam titulares do Benfica.
Mas é apenas a minha opinião.
Dias depois contei esta conversa a um amigo meu, benfiquista dos quatro costados, pessoa que vê futebol com conhecimentos e lucidez embora com alguns tiques de fanatismo para o seu clube na expectativa de o ouvir manifestar uma opinião minimamente discordante com semelhante exagero.
Qual quê.
Reiterou tudo que o tal vizinho de camarote tinha afirmado e ainda afirmou convictamente que nenhum jogador do Porto seria titular do actual Benfica!!!
Percebo bem a dificuldade de Rui Vitória, ou de qualquer outro treinador que venha a seguir, lidar com tão brutal desfasamento entre ambições dos adeptos e realidade do clube que leva os primeiros a serem megalómanos face às possibilidades reais do segundo.
E termino com Guttmann.
Que um dia lançou uma “maldição” que ainda hoje vigora e provavelmente nunca terminará por mais optimistas que sejam as declarações pré eleitorais de Luís Filipe Vieira acerca de se manter no cargo até o Benfica ganhar uma prova que só muito dificilmente voltará a vencer nos próximos largos anos.
Mas o clube corre seriamente a realidade de este desfasamento entre ambição e realidade se tornar numa segunda maldição, desta vez de âmbito nacional, e da responsabilidade dos seus próprios adeptos.
A ver vamos.

domingo, novembro 11, 2018

Pica Pau


Comboio, Canadá


Che Guevara


King

Sou de uma geração em que os Queen eram uma das grandes referências musicais e o seu líder, Freddy Mercury, um autêntico icone do rock desses anos setenta e oitenta em que não havia propriamente falta de grandes bandas e grandes espectáculos.
Foram muitas musicas dos Queen desses tempos que atingiram os primeiros lugares das tabelas de vendas e se transformaram em êxitos a nível mundial que ainda hoje são tocados, apreciados e ouvidos por pessoas que não são do seu tempo e que nasceram depois da morte de Freddy Mercury.
Mas se a banda no seu todo é uma referência dessa época, mas sem prazo de validade, já o seu líder foi por ele próprio uma figura incontornável pelo talento, pela voz fabulosa, pela presença em palco e pelas excentricidades que marcaram os seus últimos anos de vida.
Tudo isso, todas essas características únicas de Freddy Mercury foram ,digamos assim, bem sintetizadas no inesquecível "Live Aid" de 1985 realizado simultaneamente em Londres e em Filadélfia com fins beneficentes e que ainda hoje é recordado essencialmente pela actuação dos Queen mas muito especialmente pelo grande espectáculo dado em palco pelo seu vocalista e líder.
Inesquecível a forma como interagiu com os mais de 100.000 espectadores presentes no estádio de Wembley completamente rendidos ao seu talento e cientes de que estavam a participar num momento único da história da música.
Freddy Mercury morreu em 1993, nuns jovens 45 anos de idade, e com ele "morreram" os Queen na sua melhor versão porque, como é evidente, nunca mais foram os mesmos sem a sua primeira figura e principal referência.
Mas ficaram as suas músicas e a memória de um personagem inigualável.
Depois Falamos.

Institucional

Tenho escrito e dito, por várias vezes, que o Aliança veio para fazer diferente e para fazer melhor do que os partidos tradicionais da nossa praça porque caso contrário correria o risco de ser apenas mais um que em muito pouco se diferenciasse dos restantes.
E todo o seu percurso até aqui se tem pautado por essa intenção de fazer diferente e fazer melhor.
Começou a recolha de assinaturas no pico do verão, o pior período para assuntos políticos como os que são da "arte" bem sabem, e em trinta curtos dias conseguiu que mais de doze mil portugueses subscrevessem o seu pedido de constituição.
Da parte do Tribunal Constitucional verificou-se também uma celeridade que apraz registar e que permitiu ao partido ver-se legalizado através de acordão emitido para o efeito poucas semanas depois de ter entregue o seu pedido de constituição nos respectivos serviços.
Seguidamente tomou a decisão de realizar o seu congresso fundador no Alentejo, mais propriamente na cidade de Évora, região do país onde nunca qualquer um dos partidos tradicionais (incluindo aqueles com mais forte implantação regional) tinha realizado um evento dessa dimensão.
Manda a verdade referir que contando desde o primeiro momento com grande receptividade da Câmara Municipal de Évora, liderada pelo PCP, que entendendo a importância do evento manifestou grande disponibilidade para apoiar a sua realização.
Finalmente, por agora, tendo uma atitude de grande respeito institucional pelo Presidente da República que foi o primeiro orgão de soberania a quem o Aliança pediu uma audiência após ter visto a sua legalização deferida pelo Tribunal Constitucional.
E que numa atitude que nos apraz registar, e que sensibilizou o partido, marcou a audiência para o dia seguinte aquele em que ela foi solicitada numa inequívoca manifestação de respeito pela nova força política.
Tudo de forma inequivocamente institucional que é uma das imagens de marca do Aliança.
E que levou a que a delegação do Aliança que se deslocou a Belém fosse também ela tão institucional quanto possível ao ser composta pelo presidente, pelo director executivo e pela directora do gabinete de estudos nacional (os únicos militantes com cargos já definidos), e depois mais quatro dirigentes vindos de percursos diversos e que mostram bem a abertura do partido a toda a área do centro democrático.
O caminho também se faz de sinais concretos e os atrás referidos são a prova evidente disso.
Depois Falamos

terça-feira, novembro 06, 2018

Sugestão de Leitura

Há momentos felizes.
Encontrei este livro no decurso de umas arrumações e guardei-o para leitura futura face ao interesse que sempre tive pelos protagonistas da nossa História e em especial pelos que no século XX assumiram lugares de decisão.
Alberto Franco Nogueira foi um deles.
Ministro dos Negócios Estrangeiros de Salazar, entre 1960 e 1968, esteve presente em grandes momentos da política internacional e privou com alguns dos seus principais protagonistas como De Gaulle, John Kennedy e Willy Brandt entre outros.
Foi também no seu tempo no MNE que se deram alguns dos momentos mais significativos da História contemporânea de Portugal como a ocupação de Goa pela Índia , o eclodir das guerras na então África portuguesa e o fim político de Salazar.
Espectador privilegiado de tudo isso, e muito mais, Franco Nogueira deixa nesta obra,sobre a forma de diário, a sua visão desse período em que chefiou a diplomacia portuguesa e dos acontecimentos a que assistiu e de que foi protgonista em muitos casos.
Embaixador de carreira o autor faz deste livro (infelizmente esgotado nas livrarias) um autêntico manual do que era a diplomacia em meados do século XX e da forma como se interpretava então aquilo a que se convencionou chamar sentido de Estado.
Um livro interessantíssimo, de um autor que entre vários outros também escreveu uma monumental biografia de Salazar em seis volumes, cuja leitura recomendo vivamente a quem se interesse por História, Política e Diplomacia.
Depois Falamos

Democracia e Informação III

O meu artigo desta semana no Duas Caras.

As rádios locais significaram uma verdadeira revolução na imprensa vimaranense, a todos os níveis, face à inovação que significaram e ás imensas mudanças que introduziram na forma de fazer informação.
Recordemos que Guimarães, como muitos outros concelhos do país, não possuía jornais diários (ainda hoje não os tem e previsivelmente nunca os terá) pelo que a informação veiculada pela comunicação social era de cariz semanal e portanto muitas das notícias quando chegavam aos leitores já estavam completamente desactualizadas.
Por outro lado , numa dimensão global, havia apenas um canal de televisão (RTP) e as rádios nacionais existentes nessa década de oitenta (Antena 1,Comercial,Renascença,etc) raramente davam a Guimarães mais atenção do que aquela que resultava dos jogos do Vitória e de uma ou outra visita de governantes ao concelho.
Para lá disso...nada!
Ou quase.
O aparecimento das rádios locais, em meados dos anos oitenta, foi de facto uma autêntica revolução e significou um virar de página na comunicação local que nunca mais teve retrocesso possível.
A primeira a surgir foi a Rádio Fundação.
Algures, creio não estar enganado, por 1984 e com o seus primeiros estúdios a funcionarem no sotão do C.A.R. na rua de Santa Luzia num espaço extremamente acanhado mas minimamente funcional e que rapidamente ganhou uma audiência extraordinária porque as pessoas em Guimarães e na região passaram a ter um meio de comunicação onde diariamente e de hora a hora podiam ouvir notícias locais relativamente actualizadas.
Mas não só notícias.
Ouviam pessoas conhecidas, participavam em concursos, telefonavam para os programas e, cereja em cima do bolo, ouviam relatos do Vitória, entrevistas com jogadores, treinadores e dirigentes,em suma, furavam por completo o bloqueio informativo de décadas.
Não foi fácil a aceitação,contudo, nalguns meios dessa nova realidade.
Nomeadamente nos meios políticos onde o frenesim da informação diária, as reportagens e entrevistas, os telefonemas dos cidadãos a queixarem-se disto e daquilo causou alguma estranheza e desconfiança a quem estava habituado ao ritmo da informação semanal.
De seguida veio a (para mim e mais alguns) saudosa Rádio Guimarães.
Fundada por algumas pessoas que tinham saído da Rádio Fundação e por outras que não tinham nunca estado ligadas à comunicação social a Rádio Guimarães teve os seus primeiros
 (e praticamente últimos) estúdios numas arrecadações pertencentes à Associação de Moradores da Amorosa num prédio da Urbanização de Nossa Senhora da Conceição.
Foram tempos épicos.
Onde faltava quase tudo, mas quase tudo se inventava para suprir as faltas, porque uma rádio local sem financiadores e praticamente sem publicidade nos seus primeiros tempos tinha de facto de ter uma enorme capacidade de improviso para conseguir funcionar de forma regular e com um minímo de qualidade.
E isso foi conseguido.
Através de uma geração de jovens talentosos, profundamente empenhados no que faziam, contando com uma direcção que fazia o possível e o impossível para que dentro dos parcos recursos nada faltasse.
Fizeram-se grandes momentos de rádio.
Programas, entrevistas, reportagens e esses momentos únicos que eram os relatos dos jogos do Vitória no meio de um autêntico estendal de improvisos técnicos e de alguma “lata” no acesso aos estádios e na contratação de linhas.
Foram uns largos meses em que ouso dizer que se terá feito da melhor rádio que alguma vez Guimarães conheceu.
Posteriormente surgiria a Rádio Santiago.
Cujo primeiro nome, que não vingou, foi Rádio Tropical e que iniciou as suas emissões nuns estúdios situados na rua capitão Alfredo Guimarães num pequeno centro comercial que ainda lá existe.
Fundada por pessoas que tinham saído da Rádio Guimarães, e curiosamente algumas também tinha fundado a Guimarães vindas da Fundação, rapidamente passou para instalações na Praça de Santiago(onde este longos anos) depois de ter sido adquirida pela Sociedade Santiago.
Guimarães tinha assim três rádios em funcionamento concorrendo para a disputa dos dois alvarás que se se sabia iam ser concedidos a Guimarães.
A Rádio Fundação, de longe a mais ouvida e mais bem equipada, já a emitir a partir dos estúdios da Rua Gil Vicente onde tinha instalações que em nada ficavam a dever a uma rádio nacional.
A Rádio Guimarães, já fragilizada por divisões e dissidências, que se tinha mudado para uns estúdios mais modernos na Avenida de Londres mas em clara perda de audiências e sem grandes(nem pequenas) influências ao nível de quem decidiria os alvarás.
E a Rádio Santiago, ao tempo provavelmente a menos ouvida, mas que tinha inegável influência em vários meios e um projecto cuja qualidade terá pesado na decisão final.
Foram legalizadas a Fundação e a Santiago.
Um novo capítulo se abria na Comunicação Social vimaranense.

(Continua)