quinta-feira, Julho 31, 2014

PS....Um Futuro sem História?


A Câmara de Guimarães (e o PS local) andam com pouca sorte.
E nem me vou referir à quantidade de personalidades socialistas vimaranenses que em Maio apareciam eufóricas ao lado de Seguro garantindo "pelas alminhas" que era o futuro primeiro ministro de Portugal e em Julho, aquando da visita do mesmíssimo Seguro a Guimarães, estranhamente não foram vistas na comitiva.
Coerências...
Refiro-me isso sim à forma desastrada como os dirigentes socialistas e autarcas geriram três bambúrrios de sorte que lhes caíram no colo sem saberem como.
O primeiro foi o Instituto da Universidade das Nações Unidas.
A UNU decidiu abri-lo em Portugal, o governo PSD/CDS decidiu que ele seria em Guimarães, André Coelho Lima foi o primeiro politico vimaranense a interessar-se pelo assunto(logo em 2010)porque percebeu o interesse de que se revestia, a Universidade do Minho associou-se empenhadamente ao projecto e a investigadora da UNU Sara Fernandes foi absolutamente decisiva porque sem ela o Instituto nem viria para Portugal quanto mais para Guimarães.
São factos!
Que fez a Câmara?
Envolveu-se numa ridícula "guerra de paternidade", perdida à partida, e passou ao lado de ter recebido o Instituto com a grandeza e o destaque que Guimarães merecia.
Porque à Câmara ninguém negava o papel a desempenhar no presente e no futuro.
Não se podia era inventar um protagonismo que ele não teve no passado. Mais propriamente entre 2010e fins de 2012.
O segundo foi a questão da maternidade do Hospital Senhora da Oliveira.
Á boleia de uma portaria mal redigida criou-se, com grandes responsabilidades da Câmara e enormíssima de dirigentes do PS, um injustificado alarmismo  de que a maternidade ia fechar e os bebés de Guimarães iam nascer a Braga.
Boato desmentido pela administração do Hospital, pela ARS, pelo próprio governo.
Mas para o PS/Câmara a chicana politica era mais importante do que a verdade.
E insistiram no que sabiam ser mentira.
Até petições, assentes na boa fé e no vimaranensismo de muitos é verdade mas sem nexo nem verdade, patrocinaram em nome desse alarmismo com motivações exclusivamente partidárias.
Recentemente o ministro da Saúde veio a Guimarães e garantiu aquilo que administração do HSO,ARS, e a coligação "Juntos por Guimarães" já se tinham cansado de dizer.
A maternidade nunca fechará.
Uma excelente noticia para Guimarães mas péssima para o PS, para os seus dirigentes e para os responsáveis camarários.
Que, ao menos aí, podiam ter tentado uma saída airosa.
Mas não.
Insistiram nas duvidas, arranjaram manobras de diversão (a falsa questão das outras valências), vão ser inapelavelmente derrotados pela realidade quando em Dezembro de 2015 a maternidade se mantiver aberta e a dar a Guimarães muitos vimaranensezinhos.
A terceira "desgraça" para a Câmara foi o titulo nacional de juvenis alcançado pelo Vitória.
Em que a Câmara, mais um conhecido "compagnon de route" socialista, arranjaram uma trapalhada onde nada o justificava.
Substituindo-se à FPF como entidade que recebeu a equipa campeã para entrega de uma taça que não foi entregue no terreno de jogo por razões nunca convincentemente explicadas mas que não tinha nunca de ser entregue num salão nobre de um município.
E não contentes com esse insólito número ainda se assistiu a um discurso do presidente da câmara dizendo que aquele era o troféu mais importante porque era o primeiro ganho no seu mandato!!!
Como se uma coisa tivesse a ver com outra.
Pelo caminho ainda se esqueceu do Moreirense...
E assim três momentos importantes para Guimarães ,com graus de importância bem diferentes é certo, que a Câmara podia ter transformado em três eventos memoráveis apenas conseguiu como contributo próprio  associar-lhes três trapalhadas bem à moda do PS.
É o chamado "azar dos Távoras".
Vale que qualquer um dos eventos é muito mais importante do que aquilo que dele fez quem ocupa transitoriamente o poder.
Depois Falamos.

P.S. Guimarães continuará a ser uma História com Futuro.
"Este" PS é que me parece a caminho de um futuro sem história...
Mas daí não vem mal ao mundo e muito menos a Guimarães.

terça-feira, Julho 29, 2014

Excelente Decisão

A decisão do CJ da FPF no sentido de obrigar à repetição das eleições na Liga é uma excelente noticia para o futebol português pelo que significa em termos de reposição da legalidade e da condenação inequívoca de todas as tropelias cometidas por Mário Figueiredo e seus apoiantes para se manterem no poder a qualquer preço.
Ficará para os anais do nosso futebol este triste espectáculo de um presidente da Liga repudiado pela esmagadora maioria dos clubes utilizar todas as artimanhas e aldrabices (ao ponto de recusarem a admissão de outras listas que não as próprias !) para se manter no cargo de qualquer forma.
Ao serviço de que interesses e de que estratégias é algo que seria muito interessante saber também.
Neste processo de clarificação e reposição da legalidade há dois clubes que merecem todos os elogios.
O Vitória e o Estoril!
Que não pactuaram com o simulacro de eleições, quer não se calaram perante os atropelos, que não viraram as costas aos compromissos assumidos e recorreram para o Conselho de Justiça da "palhaçada" eleitoral protagonizada por Figueiredo e seus acólitos e patrocinada na sombra por interesses poderosos.
Sem Vitória e Estoril, e respectivo recurso para o CJ, Figueiredo continuaria a presidir à Liga e a degradação desta seria irreversível ao ponto de os próprios campeonatos estarem em risco de não se iniciarem por absoluta falta de patrocínios para os mesmos.
O futebol português tem uma inquestionável divida de gratidão para com estes dois clubes.
Mas agora há que tomar decisões.
Porque com a repetição de eleições é necessária uma solução para impedir,democraticamente, que a inevitável recandidatura de Figueiredo tenha a mínima hipótese de ter sucesso e mergulhar o futebol profissional no mais completo ridículo.
E para isso é preciso que os clubes de forma séria e responsável conversem entre eles para construírem uma candidatura ganhadora e com potencial necessário à regeneração da Liga e ao retomar da credibilidade perdida.
E um Presidente da Liga  que una o futebol em volta dela.
Penso que esse candidato jamais poderá voltar a ser Fernando Seara.
Porque foi o primeiro a voltar as costas ao processo e a retirar-se de cena sem sequer contestar as inúmeras ilegalidades dos expedientes usados para a rejeição da sua lista.
Com uma pressa tal que tornou suspeito, e bem suspeito, o real empenho na candidatura.
É passado.
Importa agora o futuro.
Que só existe porque Vitória e Estoril o tornaram possível.
Depois Falamos

P.S. Um dos grandes derrotados neste processo é o Benfica.
Cujo presidente patrocinou na sombra a recandidatura de Figueiredo e logo após a vergonhosa eleição do mesmo veio publicamente apelar ao apoio à nova direcção eleita.
Mostrando claramente de que lado estava.
O Benfica é um grande clube e tem de fazer parte da solução que vier a ser encontrada.
Seria impensável que assim não fosse.
Mas desta vez tem de jogar limpo!
Já basta o que basta...

Leopardo

Foto: www.nationalgeographic.com

domingo, Julho 27, 2014

Monotonia...

Tão diferentes e tão iguais!
Por elas sabemos, praticamente da mesma forma, algumas coisas que se vão passando no país e no mundo.
Foi abatido um avião da Malasya Airlines algures na Ucrânia por activistas terroristas pró russos armados pelo senhor Putin.
Em Gaza houve não sei quantos bombardeamentos de Israel e lançamento de rockets pelo Hamas com o habitual lote de mortos e feridos e as imagens televisivas a apelarem ao choque e ao horror.
Parece que no grupo BES existiram uns problemazitos de milhões não se sabe bem se simples milhões ou milhares de milhões. O que importa é saber se o ex DDT (dono disto tudo) paga a fiança em cash,por multibanco, garantia bancária ou cheque visado.
O malcriadão do Nogueira continua no seu persistente trabalho de desprestigiar uma classe profissional que bem merecia outra sorte em termos sindicais e não só.
Continua a novela mais longa das televisões portuguesas o "Simplesmente PS" (que sucede à saudosa rádio novela "Simplesmente Maria" dos anos 70 do século passado) que promete enxofrar-nos a paciência até ao fim do terceiro trimestre do corrente ano.
E,finalmente, temos o acompanhamento díario ,exaustivo e ridículo da vidinha dos clubes do regime televisivo (SLB/FCP/SCP) com treinos e jogos treino,conferências de imprensa e chegadas e partidas de jogadores como se Portugal, uma vez acabado o Mundial, ainda precisasse de futebol em doses industriais em pleno defeso.
Enfim...houvesse ao menos um Verão decente e talvez se reparasse menos na informação televisiva que (não) temos.
E na forma como os canais são irritantemente tão...iguais.
Rima e é verdade.
Depois Falamos

Mosteiro de Pombeiro, Felgueiras


A Longa Seca.

Já tínhamos tido, no século passado, a longa marcha de Mao Tse Tung e seus apoiantes através da China.
Agora, no século 21, temos a "longa seca" que é a marcha através de Portugal de Seguro e Costa disputando a liderança do PS e "intoxicando" de forma irremediável todos os noticiários televisivos com essa questão interna do partido.
A disputa pela liderança dos partidos democráticos faz parte da democracia e é essencial numa perspectiva de renovação e vitalidade desses mesmos partidos.
Refiro-me,como é óbvio, a PSD, PSD e CDS porque o PCP ainda está numa fase pré democrática em que prefere nomear em vez de eleger e expulsar em vez de debater seriamente as questões internas e aceitar a diversidade de opiniões como algo de natural.
Sobre o BE não me pronuncio porque não é certo que ainda exista de facto.
Mas os outros três partidos, que se costumam designar por partidos do arco da governabilidade, todos eles ao longo dos quarenta anos de democracia tem conhecido momentos de grande agitação interna e de disputa pela liderança.
O que, de uma forma geral, só lhes tem feito bem.
Mas esta disputa de Seguro com Costa não faz bem a ninguém.
Longa, maçuda, diária, um campeonato a ver quem faz mais oposição ao governo e quem consegue o "sound byte" mais produtivo do dia.
E a convicçao, dia a dia reforçada, de que se Seguro é "aquilo" que já se sabia Costa consegue ser pior.
Tem boa imprensa, apoios de relevo(até noutras áreas politicas por mais sui generis que isso seja), uma máquina de campanha poderosa.
Mas não tem uma ideia, uma solução, uma proposta capaz de ser alternativa séria para um problema concreto.
Ainda agora fez uma convenção cheia de pompa mas sobre o problema concreto que mais preocupa os portugueses ( a questão económica) nem uma palavra.
Porque nem uma ideia tem sobre o assunto.
Apenas demagogia.
A "longa seca" vai continuar até fim de Setembro obrigando muitos portugueses a darem trabalho acrescido aos comandos da suas televisões para fugirem a esta interminável campanha que nos teimam em  meter pelas casas dentro várias vezes ao dia todos os dias.
Em 28 de Setembro,finalmente, o PS terá um novo líder.
Portugal é que, pelo que se tem visto, continuará sem uma alternativa credível ao actual governo.
Seguro e Costa, Costa e Seguro apenas tem conseguido provar que nenhum deles está à altura do que o país precisa como uma verdadeira opção.
São demasiado fracos.
Depois Falamos

Moínho


Castelo de Querini, Grécia


sábado, Julho 26, 2014

Categoria Mundial

Foto: Lauren Maganete

Portugal é um pequeno país.
Que já deu "mundos" ao "mundo" mas nem isso obsta a que depois de a roda da História ter girado o que tinha para girar (até á data) voltássemos a ser um pequeno país e razoavelmente periférico em função do espaço europeu em que nos inserimos.
E por isso, reminescências do Império que já lá vai, damos tanto valor quando Portugal ou algum português se destaca em qualquer campo do ciência ao desporto, do espectáculo à politica.
Por isso o orgulho nos prémios Nobel de Egas Moniz e José Saramago.
Por isso a reverência a Amália Rodrigues ou aos Madredeus.
Daí a saudade de Joaquim Agostinho, de Carlos Lopes , de Rosa Mota e Fernanda Ribeiro tão bons como os melhores.
O apreço por Nélson Évora campeão olímpico (como eles só C. Lopes ou R. Mota) numa especialidade em que Portugal nunca foi especialista.
A memória mil vezes citada das taças dos campeões europeus do Benfica e da Taça das Taças do Sporting em meados do século passado.
O reconhecimento que merece o Porto pelas seus títulos europeus que fazem dele o mais importante clube português no mundo da bola europeia.
O significado de durante dez anos termos tido Durão Barroso como presidente da comissão europeia e António Guterres como alto comissário da ONU para os refugiados durante a ultima meia dúzia de anos.
Entre mais alguns(não muitos) casos que poderia citar.
São poucos os exemplos em que hoje Portugal está ao nível dos melhores.
E por isso os valorizamos tanto.
Vem isto a propósito de um concerto a que tive oportunidade de assistir, ontem mesmo, de Mariza na Serra do Pilar em Vila Nova de Gaia.
Onde,com mais uns milhares de espectadores, tive  o imenso privilégio de ver uma actuação extraordinária de uma portuguesa de categoria mundial que cantou e encantou de uma forma absolutamente inesquecível.
Já apreciava Mariza e tenho alguns Cd's dela .
Mas nunca a tinha visto actuar ao vivo.
Apenas em DVD.
E depois de a ver ontem durante duas horas fiquei com a certeza que em todo o mundo não haverá muitos artistas com o seu talento.
Portuguesa!
Excepcional!
Depois Falamos

sexta-feira, Julho 25, 2014

Sugestão de Leitura

É Senna.
E tudo que seja Senna chama a atenção daqueles que gostam de Fórmula 1 e do que terá sido porventura o melhor piloto de todos os tempos.
É verdade que não ganhou tantos campeonatos como Fangio, Schumacher ou...Vettel.
Mas é igualmente verdade que o destino o levou demasiado cedo e num tempo em que era perfeitamente possível admitir que ele ainda ganharia mais alguns campeonatos.
Até porque "ainda" não tinha corrido pela Ferrari (seu velho sonho) que viria a dominar a modalidade nos anos seguintes.
Mas no tem em que correu o certo é que ninguém correu tão bem como ele pese embora se ter defrontados nas pistas com pilotos extraordinários como Prost, Mansell, Piquet, Lauda e outros.
Esta biografia escrita por Rui Pelejão é mais um contributo para conhecer melhor o que foi a carreira de Ayton Senna.
E "só" por isso vale bem a pena lê-la.
Depois Falamos

segunda-feira, Julho 21, 2014

"Nikles"...

Foto: www.vitoriasc.pt / João Santos

Em Maio de 2007 aqui manifestei pela primeira vez a vontade de ver o Vitória vestir Nike a marca desportiva americana que considero ser a melhor do mundo na concepção de equipamentos desportivos para equipas de futebol.
Foi há sete anos não foi a semana passada.
E ao longo dos tempos reiterei essa vontade de ver o clube vestir aquela que é, porventura, a marca desportiva mais prestigiada do mundo.
Por isso fiquei moderadamente(apenas moderadamente porque existia uma alternativa tão extraordinária que ainda hoje me interrogo como foi possível terem-lhe passado "olimpicamente " ao lado sem sequer corresponderem a um interesse efectivo e demonstrado...) satisfeito quando na época passada clube e marca chegaram a acordo para um contrato por três anos na sequência do qual o Vitória deixava a Lacatoni e ficava com a Nike.
E aguardei os equipamentos, e não só, com expectativa.
Confesso que o ano passado foi uma desilusão.
Equipamentos de catálogo, comuns a imensos clubes por esse mundo fora, um primeiro equipamento aceitável e o segundo francamente...feio.
O terceiro era o melhor de todos mas teve muito pouca utilização vá-se lá saber porquê.
A justificação dada, e que considero perfeitamente aceitável, foi a de que as negociações foram tardias e não houve tempo para um design próprio para o Vitória.
Mas para o ano(este) é que ia ser.
Muito bem.
Aguardei.
Sábado foram apresentados os equipamentos acima.
E pelo segundo ano consecutivo sinto-me desiludido.
Os dos guarda redes são iguais aos do ano passado apenas com umas barras negras nas mangas que não acrescentam nada de especial.
Mas em boa verdade também são os que menos interessam.
Importam os outros.
E aí duas opiniões.
Gosto do primeiro equipamento.
Mais do efeito da mistura camisola,calção, meias que remete para equipamentos do passado com tradição no clube do que propriamente da camisola por si só que me parece demasiado simples quase um pólo transformado em camisola de jogo.
Admito que com a publicidade melhore.
O segundo equipamento, ainda assim mais bonito que o da época passada, é no fundo a mesma coisa trocando o preto pelo cinza no corpo e o branco pelo preto nas mangas.
Esperava mais da Nike confesso.
Porque vi no Mundial e vejo noutros clubes para 2014/2015 equipamentos lindíssimos e que nos abriram o "apetite" para os nossos.
Que afinal voltam a ser produtos de catálogo e não criações exclusivas para o Vitória.
Que é hoje em Portugal o maior clube a vestir Nike.
Em suma queríamos Nike " a sério" mas o resultado foi ..."Nikles".
Talvez para o ano...
Depois Falamos