quarta-feira, março 04, 2015

A Campanha Eleitoral

O Vitória encontra-se a poucos dias de realizar eleições para os orgãos sociais que vão dirigir o clube no triénio 2014/2017.
Como é sabido apenas uma lista se apresenta a sufrágio e, talvez por isso, é conhecido apenas o agendamento de uma iniciativa de campanha dado que os agora recandidatos não entenderam como necessário irem junto dos sócios,por todo o concelho, apresentarem contas do mandato que agora termina e explicarem o que tencionam fazer nos próximos três anos.
Ou seja  uma sessão de esclarecimento para cumprir calendário.
É pena. 
Mas ainda assim deixarei aqui vinte temas que gostaria de ver tratados na inexistente campanha bem como três conselhos ao presidente recandidato.
E não se estranhe que misture questões de clube com questões da SAD porque os que mandam nos dois lados são exactamente os mesmos.
Comecemos pelos temas:
1) Gostaria que fosse explicada a razão pela qual a aposta na formação e no futebolista português foi trocada por um regresso ao passado em que a prioridade é apostar no estrangeiro e no que vem de fora.
2)Quais as razões que motivam o persistente silêncio da SAD quando o clube é prejudicado pelas arbitragens. Será que ainda não perceberam que as equipas do clube são as mais fáceis de prejudicar pelo "sistema" e que o silêncio baseado na politica do custo/beneficio de reclamar se tem revelado um fracasso?
3)Que tem a dizer sobre a forma discriminatória como somos permanentemente tratados pela comunicação social? Mesmo pelos jornais que beneficiam e privilegiam com fugas de informação.
4)O que pensam da forma como somos tratados pelos orgãos jurisdicionais do futebol nomeadamente em termos de multas, de interdições, de jogos à porta fechada e de "sumaríssimos" aos nossos jogadores?
5)Quais os beneficios reais nas alterações ocorridas no departamento médico do clube? Quando se tem a clara sensação de que as lesões cada vez demoram mais tempo a resolver.
6)Quais os verdadeiros montantes obtidos na transferência de jogadores nomeadamente nos negócios recentes com o F.C.Porto?
7) Face a um repetido discurso de "dificuldades financeiras" que fez até hoje a SAD para encontrar novos investidores de molde a proceder a um aumento de capital social que nos pusesse ao abrigo de transferirmos jogadores a preço de saldo?
8) O que pensa a SAD da forma como alguns seleccionadores nacionais desprezam os jogadores do clube ?
9) Quando será apresentado aos associados o já famoso relatório sobre a gestão de Emílio Macedo da Silva ?
10) Qual foi o critério que presidiu à indicação dos representantes do Vitória nos orgãos sociais da Liga?
11) O que pensa a direcção do clube sobre as modalidades ? Qual o projecto desportivo para elas para os próximos anos? Metas e objectivos?
12) Porque razão, pese embora sermos vice campeões nacionais e estarmos a lutar pelo titulo e pela Taça de Portugal na presente época, nunca se ouviu ao presidente do clube uma única palavra sobre a magnifica carreira da nossa equipa de basquetebol? Que é actualmente a mais representativa do clube.
13) Qual é o projecto desportivo do clube e da SAD para a próxima década? Para onde queremos ir? Como pensamos lá chegar? Como perspectivam o nosso crescimento?
14) Qual o estado actual de desenvolvimento do projecto ADN Vitória?
15) Porque razão foi extinto o Departamento de Acção Social que se revelava fundamental na integração dos atletas estrangeiros e no acompanhamento escolar dos jovens da formação?
16) Que pensa a SAD dos horários de transmissão dos jogos pela Sport-tv nomeadamente com a reiteradas insistência em nos colocarem a jogar à sexta feira? Concorda? Ou se não que tenciona fazer para alterar este estado de coisas?
17) Que avaliação faz a direcção  da politica de marketing e merchandising que vem sendo seguida? Nomeadamente sobre a escassez de produtos à venda nas lojas do clube. E , já agora, sobre os preços dos mesmos?
18) A politica de oferta de bilhetes, de promoções e convites em quase todos os jogos, é para continuar ou os sócios que compram lugares anuais e pagam cotas passarão a merecer outro respeito?
19)Qual é a real situação financeira do clube e  (especialmente) da SAD?
20) É sabido que o actual presidente apenas é recandidato porque a ida para a Liga acabou por se frustrar no ultimo momento e ficou no clube. Está em condições de garantir que este mandato é para cumprir ou admite não o terminar caso apareçam outras hipóteses?
São algumas (há mais...) das questões que gostaria de ver respondidas neste período pré eleitoral.
E quanto aos conselhos dirigidos a quem desta vez, como é óbvio, não os pediu são simples:
A) Pare de uma vez por todas de falar repetidamente da necessidade de vender jogadores.
Isso apenas serve para desvalorizar os jogadores,destabilizar o grupo, dificultar a vida ao treinador e desanimar os adeptos. Para além de desconcentrar os jogadores postos na praça pública.
Se há necessidade de vender (e admito que sim) então vendam sem alarido. E de preferência por melhor preço do que aqueles que foram vendidos desde Maio de 2013.
B) Pare de falar de problemas financeiros. Estamos todos fartos de ver o Vitória ser apresentado como um "coitadinho". Isso só serve para enfraquecer as nossas posições negociais. E não "rima" com um plantel com 56 jogadores nem com a oferta a terceiros de jogadores como Adoua, N'Dyaie, Marco Matias, Crivellaro ou Barrientos.
C) Há coisas que não devem ser feitas nunca. Como falar, sem qualquer propósito, da saída do treinador com o campeonato a meio e a equipa em alta ou chamar "pérolas" a jovens em fase final de formação desportiva.
E um conselho final.
Com consideração pessoal e respeito institucional.
O presidente do Vitória Sport Clube não deve trocar nunca os aplausos  genuínos dos vitorianos pelas hipócritas palmadinhas nas costas dadas pelos seus colegas presidentes na Liga.
Porque os nossos aplausos premeiam os seus acertos.
As palmadinhas nas costas manifestam o regozijo de terceiros pelos seus erros.
Depois Falamos.

segunda-feira, março 02, 2015

Conservadorismo Socialista

O PS de Guimarães é a força politica mais conservadores do quadro politico municipal e aquela que por razões que só os próprios compreenderão (embora não sejam particularmente difíceis de imaginar...) mais resiste à inovação e à mudança.
Caso exemplar disso é a força como os conservadores/socialistas vimaranenses vem impedindo, fruto da maioria que lá detém, que as sessões da Assembleia Municipal sejam transmitidas em directo na Internet (via You Tube) para que cada cidadão possa tranquilamente em sua casa acompanhar as sessões do "seu" parlamento municipal.
Quando o PSD fez a proposta(numa assembleia municipal meses atrás), votada favoravelmente por todos os outros partidos, o PS votou contra com o argumento nada democrático,diga-se de passagem, que se opunham porque não tinham sido consultados previamente sobre o assunto!
Um conceito de democracia tutelada importado da Venezuela dos amigos Chavez e Maduro que também gostavam( e gostam) de ter a oposição debaixo de olho.
Na penúltima sessão da Assembleia Municipal o PSD voltou à carga com a mesmíssima proposta e o PS voltou a chumbá-la com o mesmíssimo argumento.
Não tinham sido consultados previamente!
Na passada sexta feira, e porque ao PSD importa mais que os vimaranenses tenham acesso ás transmissões da sua Assembleia do que a "paternidade" da proposta, voltou o grupo parlamentar da coligação "Juntos por Guimarães" (PSD+CDS+MPT) a apresentar uma moção sobre o assunto.
Só que desta vez em termos diferentes.
Propondo que fosse criada uma comissão com membros de todos os partidos representados na Assembleia Municipal (PSD,CDS,MPT,PS,PCP,Verdes e Bloco de Esquerda) para debaterem o assunto em todas as suas vertentes.
Em suma o tal diálogo prévio em cuja ausência o PS se baseava para impedir a alteração regimental que permitisse a transmissão das sessões.
Pois querem saber como votou o PS esta proposta que vinha ao encontro do que exigiam?
Votou contra!
Sem diálogo prévio votavam contra.
Com diálogo prévio...continuam a votar contra!
Com a diferença de desta vez nem o voto terem justificado.
O que até se compreende pela dificuldade de justificarem o injustificável.
Tive oportunidade de dizer na Assembleia, ao fazer a declaração de voto em nome do PSD, que em Guimarães (e noutros lados...) a "coerência" do PS deixa qualquer um com os olhos em bico!
Uma coisa é certa e já não é remediável para os conservadores/socialistas de Guimarães.
Ficou provado que não querem que os vimaranenses possam seguir as sessões da Assembleia Municipal através da internet.
As razões sabe-las-ão eles.
O PSD, porque não tem receio do escrutínio dos vimaranenses e faz absoluta questão em ser avaliado pela forma como os seus eleitos cumprem os mandatos de que foram investidos, continuará a lutar pela transmissão das sessões da Assembleia Municipal.
Em 2017 certamente que os eleitores saberão avaliar a diferença de atitudes.
Depois Falamos.

P.S Cabe aqui recordar para acentuar o conservadorismo dos socialistas de Guimarães que outros municípios socialistas do distrito,como Barcelos e Cabeceiras de Basto, já permitem aos seus munícipes aquilo que o PS de Guimarães recusa aos vimaranenses.

Floresta


Gazela


Bom Negócio???

Na altura, os números divulgados apontavam para um encaixe, pelo Vitória, na ordem dos quatro milhões de euros, um valor que o FC Porto veio imediatamente desmentir. De qualquer modo, tendo em conta o valor agora divulgado, eventualmente dependerá da perspectiva como se analisa o negócio, uma vez que o Vitória recebeu ainda, por empréstimo, três jogadores portistas (Sami, Otávio e Ivo) sem qualquer encargo financeiro, estando avaliada essa despesa, suportada pelo Porto até final da época, em meio milhão de euros.
(Guimarães Digital)


Vamos ver se nos entendemos.
Segundo esta notícia,do "Guimarães Digital" , nas contrapartidas pela transferência de Hernâni o FCP pagou ao VSC uma verba de 2,9 milhões de euros mais o empréstimo de 3 jogadores (Sami,Ivo e Otávio) com os salários a serem suportados pelo Porto no valor de 500.000 euros por 6 meses.
Ou seja mais ou menos 100.000 contos.
Assim, em vez de nos pagar mais meio milhão de euros ,o Porto emprestou-nos três jogadores a quem de qualquer forma tinha de pagar salários com a vantagem, para o Porto, de garantir que durante seis meses seriam regularmente utilizados na 1ª Liga (como se tem visto) em vez de andarem a polir o banco do Braga (Sami), do Porto B (Otávio) ou a jogar com alguma regularidade no mesmo Porto B(Ivo).
Que grande negócio fez o Porto.
Enquanto o Vitória recebeu três jogadores de que não precisava, que nada vieram acrescentar qualitativamente à equipa e que apenas servem para retirar espaço aos que são nossos e cuja valorização, essa sim, era do nosso maior interesse.
Para além de efeitos colaterais nos balneários (A e B) que só o tempo permitirá avaliar.
E agora pergunto:
Que jogadores poderia o Vitória ter contratado com esse meio milhão de euros que devia ter vindo e não veio?
Porque estamos a falar de salários (basta fazer as contas) na casa dos 340.000 euros/ano por jogador em média.
Ou seja muitíssimo mais do que ganha qualquer jogador do clube.
E com jogadores desse patamar salarial, mesmo com as saídas registadas, o Vitória podia estar a lutar pelo acesso à pré-eliminatória da Liga dos Campeões em vez de andar melancolicamente preocupado com os resultados do...Belenenses.
O resto é treta.
Treta de quem acha que 2,9 milhões é um grande negócio porque o jogador não vai dar nada (até há quem lhe vaticine um percurso idêntico ao de Rabiola) e treta de quem acha que ficar com 25% do passe foi excelente porque o jogador ainda vai protagonizar uma transferência milionária para um colosso europeu e o Vitória encaixar uns milhões à custa da percentagem com que ficou.
A treta, num e noutro sentido, apenas pretende justificar um negócio.
Que o senso comum, o conhecimento do que é o futebol e a queda de rendimento da equipa apenas mostram que foi um mau negócio.
Porque o que recebemos, de facto, nem sequer compensa o que perderemos se uma vez mais ficarmos arredados das competições europeias.
Quer pelas receitas próprias da Liga Europa quer pelo facto de ser nessas competições que, de facto, se valorizam jogadores.
Mas em Guimarães e no Vitória há quem, infelizmente, quando o dedo aponta a lua se preocupe com o...dedo!
Depois Falamos.

domingo, março 01, 2015

Como é Óbvio!

Não vi o Vitória -Marítimo.
Nem no estádio nem em directo na televisão.
Assembleia Municipal à mesma hora (malfadados horários da sport-tv) sobrepuseram o dever ao lazer e por isso ,com grande pena minha, perdi o primeiro jogo do Vitória esta época.
Depois li nos jornais, vi resumos, conversei com quem viu e até dei uma espreitadela mais ou menos detalhada à gravação mas nem tudo isso me levará a fazer um comentário mais alargado do que as linhas que se seguem.
E que versam cinco tópicos essencialmente.
O primeiro para registar que uma vez mais o estádio registou uma afluência abaixo dos 10.000 espectadores (com responsabilidade minha também) o que mesmo a uma sexta feira à noite é francamente mau.
E dia e horário já não são explicação suficiente.
Como é óbvio!
O segundo para dizer que a exibição vitoriana ficou uma vez mais aquém do que seria legítimo esperar face a uma primeira volta que cada vez é mais uma saudade mas em linha com o histórico dos últimos anos no que concerne a segundas voltas do campeonato.
O golo de Josué disfarçou alguma coisa mas está longe de disfarçar tudo.
Como é óbvio.
O terceiro regista as bem audíveis manifestações de desagrado oriundas das bancadas face a uma exibição em que mesmo jogando 45 minutos contra dez o Vitória nunca conseguiu a superioridade que seria legítimo esperar face a um adversário do meio da tabela.
Insatisfação perante jogadores e treinador, como é normal nestes casos, mas longe da verdade andará quem pense que era só perante esses protagonistas, e esta exibição, que os vitorianos manifestavam o seu desagrado
A Taça de Portugal e a anunciada redução do passivo ainda justificam muita coisa mas estão cada vez mais longe de justificar tudo.
Como é óbvio!
A quarta para manifestar a minha tristeza, enquanto vitoriano, pelo imerecido estatuto dado a três jogadores que vieram do Porto emprestados e que tem lugar cativo nas convocatórias e jogam sempre.
Sem que as suas exibições o justifiquem minimamente.
Nenhum deles jogou até agora o mínimo que justificasse ser titular na nossa equipa B quanto mais na A que, aliás, de nada tem beneficiado em termos de qualidade exibicional (e de resultados) com a sua presença.
E essa situação de favor ao clube a que pertencem, é humilhante para o Vitória e para os vitorianos!
O que também explica bancadas menos compostas e o desagrado dos adeptos manifestado de forma bem audível.
Como é óbvio!
O quinto tópico é uma palavra de simpatia e incentivo para Assis e Valente.
Para Assis que depois de quinze jogos em que manteve sempre uma excelente qualidade exibicional e evitou por várias vezes males maiores (leiam-se derrotas em jogos em que graças ao seu acerto exibicional conseguimos segurar vitórias ou empates)não merecia, ao primeiro erro, ser transformado em bode expiatório de um conjunto de maus resultados que não são da sua responsabilidade.
Não é só na política que o "populismo" acaba por sair caro.
Para Valente que é jogador do Vitória e tendo chegado em Dezembro rapidamente se integrou e começou a jogar e a marcar assumindo-se como verdadeiro reforço.
Agora vê os jogos do banco.
Posto de lado para dar lugar a jogadores que não são do Vitória, não jogam o que ele vinha jogando e também não marcam como ele marcava.
Naquilo que é uma sobreposição do pior dos "negócios" ao melhor do futebol.
E lesivo dos interesses do Vitória.
Que anda a valorizar o que é dos outros em detrimento do que é seu sem nenhum benefício desportivo que, ao menos, o justificasse minimamente.
E também isso contribui para afastar os adeptos do estádio e quebrar o entusiasmo que a primeira volta despertou em todos os vitorianos.
Como é óbvio!
Depois Falamos.

P.S. E sobre o Vitória-Marítimo nada mais direi.

Ronda, Espanha


Foto: National Geographic

D. Afonso Henriques


sexta-feira, fevereiro 27, 2015

Fecho do Mercado

Sou do tempo em que no futebol não existiam estas "modernices" de abertura do mercado de transferências em Janeiro para os clubes poderem "retocar" os seus planteis contratando e vendendo jogadores ao sabor do que lhes parece melhor.
Dantes era diferente.
Começava o campeonato e o treinador sabia que podia contar com todos os jogadores do plantel formado no defeso ao longo de toda a prova sem poder reforçar sectores ou ver-se privado de jogadores fundamentais precisamente  a meio da prova.
Naturalmente que isso permitia um trabalhou com outra profundidade na assimilação de processos de jogo, no desenvolvimento de tácticas e estratégias, no poder ensinar aos jogadores,com tempo, alguns aperfeiçoamentos individuais a que há sempre lugar.
Mas o tempo andou.
E de há anos a esta parte há a reabertura do mercado em Janeiro.
Que tem vantagens e inconvenientes.
Vantagens para jogadores quer porque podem ir para clubes com melhores contratos quer porque podem procurar onde jogar com mais assiduidade se pouco utilizados nos clubes onde estão.
Vantagens para os clubes, especialmente para os que tem poder de compra,porque podem reforçar as suas equipas e simultâneamente livrarem-se de jogadores que não estão a corresponder ás expectativas.
Vantagens para os treinadores, especialmente aqueles que estão nos tais clubes com poder de compra, porque podem reforçar as suas equipas em fases cruciais das competições.
Vantagens para os empresários porque é outra época de "facturação".
Mas também há inconvenientes.
Porque a reabertura de mercado fortalece quem já é forte e enfraquece quem já é fraco.
Porque a chegada de novos jogadores, e a sua integração num grupo já formado e com as competições em andamento, nem sempre se faz da melhor forma e pode desunir balneários até então unidos.
Porque a saída de jogadores essenciais a meio das provas pode enfraquecer as equipas e cercear aspirações que até então pareciam possíveis.
Porque nalguns casos obriga os treinadores a refazerem grupos, alterarem estratégias, redefinirem modelos de jogo.
Com estas e outras vantagens e estes e outros inconvenientes a verdade é que os clubes, jogadores, treinadores e...adeptos tem de saber lidar com a realidade que é a abertura do mercado em Janeiro e as transformações (para melhor ou para pior) que sempre produz nas equipas.
Creio é que há pelo menos duas alterações que deviam ser feitas a esta época de transferências:
Diminuí-la para duas semanas para os efeitos de instabilidade não serem tão duradouras.
E a UEFA determinar que em todas os países debaixo da sua alçada o dia de fim de mercado seja o mesmo.
Porque uns países fecharem a 31 de Janeiro, outros a 28 de Fevereiro e outros ainda a 15 de Março cria factores de desiquilibrio entre clubes que são inaceitáveis.
Depois Falamos.

quinta-feira, fevereiro 26, 2015

As Escolhas

Foto: DN
Notícia hoje o Diário de Noticias que PSD e CDS terão iniciado a negociação dos nomes que vão integrar as listas de candidatos a deputados nas próximas eleições legislativas.
O que significa, desde logo, que irão coligados ao acto eleitoral!
É uma boa  e uma má noticia em simultâneo.
Boa porque significa haver finalmente uma decisão quanto ao assunto sendo claro que a ida ás urnas em coligação potencia os resultados eleitorais face ás especificidades do método de Hondt e ao acréscimo de confiança dos eleitores face a um entendimento entre os dois partidos do governo.
Má porque começar a negociação pela "mercearia" transmite sinais errados ao país para além de inevitavelmente introduzir no processo, logo no seu inicio, factores de crispação (veja-se o que se passa em Santarém) que poderão complicar outros aspectos do acordo.
É certo que as "Jornadas pelo Crescimento", que se vem desenrolando em todos os distritos do continente por iniciativa conjunta dos dois partidos, são um sinal positivo que se transmite do acordo e da vontade em prolongar a coligação para lá das eleições legislativas.
Mas isso devia conduzir a uma comunicação formal dos dois partidos sobre a renovação do acordo, negociação das bases programáticas e do futuro programa de governo, deixando as escolhas de nomes para uma fase posterior.
Sendo certo que as listas de candidatos(e os respectivos cabeças de lista !!!) serão peça muito importante no resultado eleitoral face à forma como os eleitores vão olhar, com um rigor critico cada vez maior, para os nomes que lhes vão ser propostos.
Nos quais não deverão constar fenómenos de "paraquedismo", deputados "invisíveis" ou cedências inter partidos que desmobilizem as bases do maior partido e empurrem indecisos para a abstenção ou votos de protesto em fenómenos de ocasião como o partido de Marinho Pinto.
Todos sabemos que é um processo delicado que obrigará a cedências de parte a parte de molde a que ambos os partidos encontrem mais sinais de satisfação do que de descontentamento no resultado final das negociações.
Mas tendo sempre em vista que o mais importante,e aquilo que realmente interessa, é vencer as eleições.
Depois Falamos.

P.S Parece nada ter a ver com o atrás escrito mas tem.
A auditoria à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa mandada efectuar pelo ministro (do CDS) Mota Soares foi um péssimo sinal.
Que o PSD não deverá esquecer nos próximos meses.
Porque em politica não há coincidências!

Castelo Hohenzollern, Alemanha.


Galápagos, Equador


Primeiros Indicadores

Jogadas as partidas da 1ª mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões o que pode dizer-se desde já?
Em primeiro lugar destacar a qualidade do futebol praticado que nada tem a ver com qualquer outra competição a nível de clubes do futebol mundial.
É outro "patamar".
Depois a gloriosa incerteza, que é o verdadeiro "sal" do futebol ,quanto ás equipas que vão apurar-se para os quartos de final.
É evidente que há tendências e favoritos, muito em especial o Mónaco depois da concludente vitória em Londres face ao Arsenal, mas certezas não há nenhuma porque a este nível e face aos resultados verificados são perfeitamente possíveis reviravoltas.
Jogo a jogo:
Depois do empate em Paris o Chelsea é favorito mas de uma equipa onde entre outros joga um "monstro" chamado Ibrahimovic tudo é possível. 
O Barcelona realizou em Manchester , na primeira parte, talvez a sua melhor exibição da época e em Nou Camp é claramente favorito a continuar em prova. Tem, porventura, o melhor trio atacante do futebol mundial alimentado pela genialidade de Iniesta mas do outro lado estará uma equipa recheada de grandes jogadores e que já poderá contar com Yaya Touré. Favoritismo catalão mas...
O Bayer Leverkusen venceu (1-0) na primeira mão mas este Atlético de Madrid de Simeone é capaz das maiores proezas. Penso que o mais provável é verificar-se uma reviravolta e o Atlético seguir em frente.
Juventus e Borussia Dortmund protagonizam um dos duelos de resultado mais incerto. O 2-1 de Turim abre espaço para todas as hipóteses embora os italianos mereçam leve favoritismo.
O Real Madrid , a par do Mónaco, é uma quase certeza na próxima eliminatória depois do triunfo forasteiro por 2-0. Seria um quase escândalo a não passagem dos campeões europeus em titulo.
O empate do Bayern em casa emprestada do Shaktiar Donetsk foi uma das pequenas surpresas desta primeira mão porque se esperava que os pupilos de Guardiola tivessem regressado da Ucrânia com um triunfo. Mas em Munique certamente que a lei do mais forte vai prevalecer.
O triunfo expressivo do Mónaco em Londres (3-1) deixa a eliminatória praticamente resolvida porque seria precisa uma noite perfeita do Arsenal para o impedir. E este Arsenal de perfeito tem muito pouco!
Em condições normais também o Porto carimbará o seu passaporte para os quartos de final. Traz de Basileia um resultado animador (1-1) e salvo um qualquer "apagão"  resolverá o assunto com maior ou menor dificuldade.
Por isso prevejo que nos quartos de final teremos as seguintes equipas e confrontos conforme escalonamento já decidido:
Chelsea vs Bayern, Real Madrid vs Porto, Barcelona vs Juventus e Atlético de Madrid vs Mónaco!
Será assim?
Depois Falamos