domingo, outubro 02, 2016

Recuperação Épica

O jogo de ontem é daqueles que explica bem porque razão o futebol é o mais popular de todas as modalidades.
Emoção,espectáculo,incerteza no resultado,belos golos,grandes jogadas e um resultado final que pareceu "impossível" durante grande parte do jogo.
Dividiria o Vitória-Sporting em quatro partes.
O "antes" e o jogo em si que teve três partes.
O "antes" tem a ver com a forma como o Vitória abordou o jogo em termos de onze inicial.
De que não gostei.
Sabe-se das carências, especialmente na linha média que a lesão de Rafael Miranda agravou substancialmente, mas nem isso justificaria,do meu ponto de vista,aquele onze inicial com Prince a estrear-se na equipa e numa posição que não é a sua e a reincidência na aposta em Hurtado que pelo que até agora se viu em nada se justificava.
Ou seja perante o forte meio campo sportinguista, onde avultam dois campeões europeus e o enorme talento de Bryan Ruiz, pelo lado vitoriano apenas se apresentava João Pedro ( e que belo jogo fez) com rotinas de meio campo dado que os africanos (Phete,Zungu e M,Bemba) continuam por razões diversas a não contar , Tozé não saiu do banco e Bernard quando saiu...mais valia não ter saído!
Percebia-se que era nessa zona que Jorge Jesus ia tentar desequilibrar o jogo.
A verdade é que nas tais três partes em que podemos dividir a partida o Vitória até começou bem.
E durante os primeiros vinte minutos,com ambas as equipas a estudarem-se mutuamente, o único lance de perigo foi de Marega que se isolou mas adiantou a bola e não conseguiu concretizar enquanto o Sporting não fez um remate à baliza digno desse nome.
Depois, bem,depois começou o pesadelo vitoriano que durou cerca de 50 minutos.
O Sporting fez um golo, depois outro com grandes responsabilidades de Douglas, e dominou por completo o jogo perante um Vitória com dificuldade em ter bola, com grandes dificuldades em sair a jogar dada a pressão leonina e sem criar grande (nem pequeno) perigo junto à baliza de Rui Patrício.
Ao intervalo o cenário era claramente pessimista para o lado vitoriano.
No reinicio manteve-se a mesma toada, o Sporting criou e desperdiçou mais três flagrantes oportunidades de golo, e receou-se que os números se viessem a avolumar tal a supremacia dos "leões" perante um Vitória que ao intervalo trocara Hurtado por Bernard sem qualquer ganho e parecia incapaz de dar a volta ao texto.
Sucedem então dois lances marcantes.
No primeiro Marega é derrubado na área, penálti flagrante (como todos os comentadores de arbitragem reconhecem na imprensa de hoje) , mas com o resultado num 0-2 claro que Soares Dias não assinalou e mandou seguir o jogo não fossem as coisas complicarem-se...
No segundo, e outra vez com grandes responsabilidades de Douglas, o Sporting faz o terceiro golo e pensava-se que então as coisas estavam mesmo resolvidas.
E talvez os jogadores leoninos tenham sido dos primeiros a pensar isso.
Mas não estavam!
Com o 0-3 terminava a tal segunda parte do jogo e entrava-se na terceira.
Vinte minutos finais "à Vitória" no relvado e nas bancadas.
Aos 74 minutos Hernâni é derrubado na área e com 0-3 a 15 minutos do fim Soares Dias marcou pénalti porque a margem era grande e o tempo pouco.
Também ele se enganou.
Porque Marega fez golo e na jogada seguinte a passe de João Aurélio fez outro golo e a diferença ficou na expressão miníma.
E aí a aliança entre o querer dos jogadores e o apoio dos adeptos transformou-se num pesadelo para o Sporting porque a galvanização que vinha das bancadas teve grande influência na atitude da equipa vitoriana e os "leões" viveram minutos finais de grande aflição que acabaram por culminar no golo do empate já em cima dos 90 minutos num lance em que Soares cabeceia depois de ligeiro encosto num defesa sportinguista como tantas vezes acontece na disputa destes lances nas grande áreas.
Final de jogo em festa para uns e de estupefacção para outros mas o futebol é mesmo assim e por isso tão apaixonante.
Um empate que os jogadores do Vitória mereceram porque nunca desistiram de lutar e acreditaram sempre que era possível e que os jogadores do Sporting não deixaram de merecer pela sobranceria (extensível aos seus adeptos que terão percebido que o ultimo a rir é o que ri melhor...) de aos 3-0 "fecharem a loja" e acharem que era tempo de pensarem em próximos jogos.
A arbitragem de Soares Dias, uma vez mais, deixou razões de queixa ao Vitória.
Pelo penalti que não marcou mas também pela tolerância disciplinar que usou para faltas cometidas pelos sportinguistas.
É verdade que no lance do golo do empate há um empurrão de Soares a Schelotto mas é igualmente verdade que nos sete cantos a favor do SCP se assistiu em quase todos aos famosos "bloqueios" (incluindo no lance do segundo golo) sem acção do árbitro.
Definitivamente é "persona non grata" nos jogos do Vitória.
Depois Falamos.

6 comentários:

Luís André Costa disse...

Boa noite,

gostei sobretudo da parte em que escreve "o ultimo a rir é o que ri melhor..." porque revi-me nas palavras. Uma vez mais, e por motivos profissionais, não tive a possibilidade de ver o jogo no estádio e vi-o num café na Covilhã junto de colegas de trabalho todos eles do Sporting . Os comentários eram sempre os mesmos, de campeões, de vencedores... Ao primeiro golo já trocavam mensagens e faziam publicações no facebook. Ao intervalo diziam que menos de quatro era derrota e quando marcaram o terceiro arrependiam-se por não terem apostado no resultado final de 0-4. Eu sempre sentado e sem tecer comentários ia vendo o jogo sempre com aquela esperança que temos sempre de que vai tudo mudar e realmente mudou. No final do jogo, eles levantaram-se e eu esbocei um sorriso. Deram-me um toque nas costas e disseram: "hoje ficaste contente!!" e respondi "quando o meu clube sofre três golos e perde pontos em casa não tenho razões para ficar completamente satisfeito".
Levantei-me e fui jantar, triste por não ter-mos ganho mas orgulhoso por termos uma equipa que não dá um jogo por perdido e não atira a toalha ao chão.

JRV disse...

Caro Cirilo,

Apenas um reparo a respeito do indivíduo que veio para arbitrar o jogo. Não concordo que seja persona non grata nos jogos deste Vitória. A sê-lo teria havido alguma reacção oficial à nomeação, que nem foi a primeira desde o "evento", ou algum comentário no pós-jogo, que também não existiu.

Se nada se diz ou disse, é porque está tudo bem.

O mesmo em relação às recentes arbitragens com que a equipa B tem sido brindada. O silêncio dos responsáveis do clube é ensurdecedor e sugere que, para eles pelo menos, está tudo bem.

O clube é prejudicado, é pisado, é denegrido, mas para os responsáveis directivos, está tudo bem, está tudo normal. É muito triste.

Cumprimentos,

luso disse...

Curiosamente vê-se, numa fotografia de um dos jornais desportivos que o defesa do Sporting, que nem sequer se desequilibrou, estava a agarrar a camisola do Marega.
Nestas situações de área, a realidade é que o árbitro marca aquilo que lhe apetecer, podendo neste caso ir da anulação do golo, a um penalti.
Não marcou nada e foi o que fez melhor.

luis cirilo disse...

Caro Luis André Costa:
Ficamos com boas razões para sermos os ultimos a rir mas não para estarmos satisfeitos como diz e bem.
Porque só ficamos satisfeitos quando ganhamos.
Quanto à equipa demonstrou garra e inconformismo e foi isso que,com ajuda do publico,permitiu a recuperação.
Caro JRV:
Estou de acordo consigo.
Infelizmente a passividade e o silêncio são a regra da casa.
E a equipa B,como refere, está a pagar isso bem caro.
Caro luso:
Estou de acordo.

De Guimarães disse...

Á excepção do sãozinho...De há dez anos a esta parte,os treinadores que vem para cá desaprendem no que tinham de melhor nos clubes de onde vieram.E este pedro é disso exemplo !
Na pré-época ainda o vi montar bem as equipas,e a incutir-lhe organização,rotina,dinâmica,e a não inve3ntar muito...Desde que o campeaonato começou parece um demente tal as imbecilidades que acumula cada vez mais,e a insistência nas mesmas ! Já no jogo anterior temos de agradecer à sorte e ao esforço da equipa,que mesmo perdida em campo tentou sempre o melhor possivel para pelo menos na pior das hipóteses,saír com um empate !
Concordo com os que dizem que a direcção é uma anedota,mas,o martins tem vindo a fazer-lhes concorrência pelo pior desempenho !
Se continuar com esta palhaçada,a cadeira com que sonhou vai tornar-se o nosso pior pesadelo !!!
Concluo congratulando a Nossa Equipa,e os Nossos Adeptos por tudo o que deram para evitar o absoluto descalabro que quase aconteceu !

luis cirilo disse...

Caro De Guimarães:
Nunca fui dos que me iludi com Pedro Martins (no nosso clube vai-se com facilidade do 8 ao 80) mas também não posso dizer que estou desiludido com ele.
Continuo a dar-lhe o benefício da dúvida mas olhando com perplexidade algumas das suas opções.
Tirar a baliza a João Miguel Silva foi uma delas , manter Hurtado como titular é outra, apostar em Bernard idem, deixar emprestar Areias e Valente ao mesmo tempo uma mais.
Esperemos que estas semanas de paragem sirvam para assentar ideias, apurar processos, tirar conclusões.
No reatamento vamos ao Estoril e a Vila do Conde.
Depois desses dois jogos já terei uma ideia mais consistente sobre Pedro Martins