segunda-feira, outubro 03, 2016

O Nosso 14

Os vitorianos guardarão deste jogo boas memórias .
A extraordinária recuperação de três golos em catorze minutos, a garra da equipa em busca do resultado,o apoio esmagador das bancadas em que os adeptos foram um 12º jogador verdadeiramente decisivo.
Mas também deverão guardar alguns dados para reflexão de molde a evitarem o "8 ou 80" tão típico de muitos adeptos e que depois resulta em desilusões quando menos se espera.
Os 67% de posse de bola do Sporting, os seus 19 remates contra apenas seis do Vitória, os sete cantos contra três são dados estatísticos que revelam um domínio visitante que em condições normais não se costuma verificar no nosso estádio.
A que se junta uma falta de rendimento de alguns jogadores vitorianos que não é fácil de entender.
Individualmente:
Douglas: Fica ligado à história do jogo pela negativa face à forma como sofreu o segundo e terceiro golos (e mesmo o primeiro...) e que não é nada comum nele. Teve ainda tempo para fazer duas ou três boas defesas que tornam ainda mais difícil de entender os golos. Uma tarde para esquecer em quem já nos deu tantas tardes/noites para recordar.
Bruno Gaspar: Muitas dificuldades iniciais com Markovic e Zeegelaar, até porque é um jogador "macio" nas marcações, mas depois foi subindo de rendimento e acabou em bom plano dando excelente contributo à cavalgada final sobre a baliza leonina.
Josué: Um bom jogo do central liderando a defesa e contribuindo para o "apagão" de Bas Dost. Exemplar a forma como foi confortar Douglas depois do terceiro golo. Verdadeiro "capitão".
Pedro Henrique: Certo nas marcações ajudou a que o ponta de lança leonino não pusesse "pé em ramo verde". Nos golos nada podia fazer.
Rúben Ferreira: Mais um jogo em que teve grandes dificuldades a defender e a atacar. Especialmente a defender onde Gelson e Schelotto lhe deram "água pela barba". Continua a parecer um jogador longe da melhor forma
Prince: Estreia na equipa e logo numa posição que não é a sua. Procurou cumprir e se a desarmar adversários ainda esteve  razoável já a sair a jogar demonstrou que aquela não é a sua "praia". Foi um remendo face à ausência de Rafael Miranda mas não convém repetir a experiência.
João Pedro: Num jogo contra um adversário detentor de um forte meio campo foi o único médio de "profissão" que o Vitória apresentou. Fez um enorme jogo a marcar,pressionar, correr atrás dos adversários, organizar jogo e levar a equipa para a frente. Não se lhe podia exigir mais.
Hurtado: Tinha estado mal com Belenenses e Moreirense e como não há duas sem três voltou a estar mal com o Sporting. Não foi médio nem avançado,não atacou nem defendeu,não teve bola nem fez muito por isso. Foi bem substituído ao intervalo sem que se tenha percebido porque foi titular.
Marega: Dois golos, um lance logo no inicio em que se não adianta a bola podia ter marcado,um pénalti sofrido (não assinalado) foram os momentos marcantes da exibição do maliano que está a transformar-se numa das figuras desta Liga. Sete golos em seis jogos (contra o FCP não jogou por impedimento regulamentar) é um número fabuloso ao nível dos melhores goleadores europeus.
Soares: Lutou muito, foi incansável na procura do golo e na forma como pressionou os adversários, e teve a justa recompensa ao conseguir o golo do empate num lance em que fez valer a "ratice" de ponta de lança. Mas passa demasiado tempo só entre centrais.
Hernâni:Boas arrancadas alternadas com períodos de desaparecimento do jogo que lhe são habituais. Alvo de várias entradas duras,perante a permissividade do árbitro, nunca virou a cara à luta e sobre ele foi cometido o pénalti do primeiro golo. Um exibição positiva de quem sabemos que pode fazer bem mais.
Foram suplentes utilizados:
Bernard: Substituiu Hurtado ao intervalo e pode dizer-se que ao nível de quem saiu. Sem nenhum contributo positivo para a equipa. Lento, passivo na abordagem dos lances, displicente como naquela jogada em que um mau passe seu originou perigoso contra ataque leonino a que ele "respondeu" vindo a passo para a sua defensiva!!! Não acredito que Tozé não fizesse bem melhor se fosse chamado.
João Aurélio: Novamente chamado a jogar como trinco a equipa beneficiou da sua entrada porque embora não sendo médio de raiz tem melhores "pés" que Prince, para cujo lugar entrou, e por isso a circulação de bola vitoriana melhorou. Excelente o passe para o segundo golo.
Rafinha: Entrou bem e contribuiu para o sufoco final da equipa adversária. Fez o cruzamento do terceiro golo.
Não foram utilizados:
João Miguel Silva, Moreno, Tozé e Alexandre Silva.

Melhor em campo: João Pedro

Foi um jogo para a boa memória vitoriana como já atrás dissemos.
E nessa boa memória devem incluir-se os erros e as lacunas para que não voltem a repetir-se e o Vitória não volte a sofrer o que sofreu no passado sábado face a um adversário forte (para mim a melhor equipa da Liga) e que teve oportunidades no início da segunda parte para construir uma goleada.
Costuma dizer-se que tudo está bem quando acaba bem.
Pode ser que sim mas quem viu, com olhos de ver, o jogo sabe que na equipa (e no plantel...) vitoriana há coisas que não estão bem e tem de ser corrigidas.
Depois Falamos.

5 comentários:

Saganowski disse...

Jogo épico!
Vi o jogo fora de Guimarães, rodeado de sportinguistas, que comentaram todo o jogo com grande basófia (como é hábito no treinador do clube deles), mas que no final tiveram a humildade de me cumprimentarem e darem os parabéns... Outro momento épico, confesso! :)

Quanto ao jogo, só jogámos na segunda parte!
O Douglas fez um jogo menos bom, culminando a exibição com aquele peru que deu o terceiro golo ao Sporting. É um excelente guarda redes, mas algo se passa com ele.

Na defesa, insisto que Ruben Ferreira continua a ser um erro de "casting" do tamanho da Penha! O Luis Rocha deve estar a rir-se...

Na linha média, o João Pedro rubricou mais uma excelente exibição e o jogo de Bernard continua a dar-me cada vez mais razão sobre as oportunidades que deveriam ser dadas a Tozé.

Lá na frente, o Marega continua a fazer das suas: 7 golos em 6 jogos! Da mesma forma que já aqui o critiquei (depois do jogo contra a equipa do lado de lá da Morreira), hoje digo, sem problema nenhum, que é o nosso melhor jogador! Oxalá fique até ao fim da época!

Outro jogador em destaque foi o 12: a massa associativa! Excelente moldura humana, que não regateou apoio à equipa e o prémio desse esforço chegou ao minute "oitchechta e oitcho"! :)

Parabéns também ao Manuel Mendes pela medalha e pela homenagem que muito mereceu!

Em suma: um resultado positivo, num jogo que teve tudo para correr mal!

De Guimarães disse...

Se no passado recente o douglas mereceu um período de poupnço,agora,depois destes erros graves,e de momentos de insegurança que demonstrou em alguns dos jogos anteriores,entendo que está na hora de lhe oferecer uma passagem definitiva para o triângulo das Bermudas !
O Miguel apesar de alguns aspectos em que ainda precisa de ser limado não merecia ter perdido a titularidade !
O Hurtado é mais uma vitima das invenções tresloucadas do martins !
Aos outros nada a apontar !

luis cirilo disse...

Caro Saganowski:
Dizes bem. "um jogo que teve tudo para correr mal".
Espero que os responsáveis não se deslumbrem porque aqueles 20 minutos finais foram completamente excepcionais e dificilmente se repetirão.
E antes disso assistimos a um claro domínio do Sporting que fez fez três golos e quase fazia outros tantos nos dez primeiros minutos da segunda parte.
E para isso contribuíram erros de jogadores mas também erros do treinador.
Que não se podem repetir.
Até porque esta época o quarto lugar está...acessível.
Caro De Guimarães:
O Douglas não tem estado bem mas ainda pode dar muito ao clube.
Não deixa de ser curioso que desde que o Luís Esteves foi embora o rendimento dele caiu bastante.
Quanto a Hurtado, Bernard e mais um ou outro é tempo do treinador assentar ideias. Contra o SCP jogamos 90 minutos com dez jogadores face ao nulo rendimento dos citados Hurtado e Bernard

Anónimo disse...

No Vitória há um problema que só quem está dentro do clube deve saber identificar. Mudam-se os treinadores. Muda-se, às vezes a equipa toda, mas o problema é sempre o mesmo: desorientação do treinador e dos atletas, más escolhas sistemáticas da equipa titular, dispensas e empréstimos incompreensíveis, titularidade obrigatória para os que recebemos de empréstimo que, logo que dão nas vistas, se vão embora!? E os 'apagões' repentinos da equipa em que ninguém quer a bola, típica do Vitória nas últimas épocas, em que jogo após jogo não se corrigem os erros - que costuma ser sempre os mesmos...
Gostava de saber que espécie de submissão nos é imposta com jogadores vindos do FCP e do SLB? Também gostaria de saber se a direção dá instruções ao treinador sobre quem deve ou não jogar?
E porque é que a equipa dá tudo quando joga com os 'grandes' mas com equipas mais fracas parece que está num jogo-treino? O ponto ganho ap Sporting tem o seu valor por ser uma equipa de topo. Mas que adianta empatar e ganhar estes jogos se depois andamos a penar com empates e derrotas humilhantes com equipas virtualmente mais fracas?

luis cirilo disse...

Caro Anónimo:
Coloca questões bem interessantes mas para as quais não tenho resposta.
Mas que estão na génese da minha completa oposição a recebermos jogadores emprestados por clubes com que disputamos competições.
Ou a emprestar-lhes (Areias,Valente,Claudio...) jogadores que fazem falta às nossas equipas.
Acho que tudo isto descaracteriza o Vitória e contribui para essa irregularidade de que fala.