domingo, maio 22, 2016

Uma Final Disputada

André Silva e Marafona: As duas figuras maiores da final da Taça
Dizem os entendidos , entre os quais José Mourinho, que as finais não são para jogar mas sim para ganhar.
E o Braga interpretou bem esse principio.
Entrou melhor no jogo, foi eficaz no aproveitamento de uma falha infantil da defesa adversária, e depois impôs a estratégia que mais lhe convinha e que passava por "arrefecer" o jogo e ir quebrando o ritmo ao adversário numa sucessão de falta e faltinhas.
E durante a primeira parte teve sucesso.
No segundo tempo o Porto entrou francamente melhor (pior também não era possível...) assenhoreou-se do jogo e foi criando alguns lances que faziam prever que o empate podia suceder mais minuto menos minuto.
Mas outra incrível falha da defesa portista "deu" ao Braga o segundo golo (e só não deu terceiro num falhanço caricato de Helton porque...não calhou) e aí pensou-se que tudo estaria decidido porque não se antevia ao Porto capacidade de reacção.
Foi então que, provando que a História ás vezes se repete, o Braga de Paulo Fonseca cometeu exactamente o mesmo erro do Braga de Sérgio Conceição na final do ano passado; recuou em demasia, deu toda a iniciativa ao adversário e refugiou-se num anti jogo completamente inaceitável (então Marafona foi demais) numa competição profissional e só possível com um árbitro sem categoria como Soares Dias.
E o Porto, muito por força da forma acertada como Peseiro mexeu na equipa, começou a criar sucessivas ocasiões que lhe permitiram marcar por duas vezes e levar o jogo para um prolongamento durante o qual foi a única equipa que quis ganhar tendo até construído boas ocasiões para isso.
Mas não marcou.
E nos pénaltis o Braga foi mais eficaz a rematar, e Marafona completou defendendo por duas vezes os remates dos portistas ,permitindo assim a conquista do troféu.
Merecida?
Nem por isso.
Pela segunda parte e pelo prolongamento o Porto merecia ter saído vencedor, pese embora os espantosos erros da sua defesa, até porque o Braga "desistiu" do jogo muito cedo preferindo defender com as linhas muito recuadas e com o tal recurso ao anti jogo que merece a censura de quem gosta de futebol com "fair play".
Mas, lá está, as finais são para ganhar e não para jogar e nisso a estratégia bracarense foi bem sucedida.
Três notas finais.
Uma para André Silva. Grande exibição, dois golos (o segundo simplesmente espectacular) e mais duas oportunidades no prolongamento que podiam ter evitado os penáltis. Para mim o melhor em campo por tudo que fez nas duas horas de jogo. 
E passando um atestado de burrice a Fernando Santos é claro.
Outra para dizer uma verdade de "La Palisse". Numa final devem jogar sempre os melhores e o "sentimentalismo" de fazer alinhar o guarda redes normalmente suplentes nestes jogos saiu muito caro ao Porto. Porque Helton já não está para estas andanças (ainda por cima depois de uma época de banco),porque Casillas é muito melhor e porque, digo eu, ao fim de duas horas de esforço e desgaste os bracarenses encarregados de marcar os pénaltis não gostariam de ter pela frente um guarda redes da categoria mundial do espanhol. Ainda por cima especialista em pénaltis.
A ultima para Soares Dias.
Só um árbitro sem categoria  permite tanto anti jogo sem a correspondente e atempada sanção disciplinar. O Braga usou e abusou das simulações de lesão e o árbitro foi na conversa.
Mas para a História fica quem ganhou.
E esse foi o Braga.
Que tem nesta taça o corolário de uma década em que tem sabido fazer o seu trabalho de casa bem feito.
E nisso o mérito é todo dele.
Depois Falamos.

8 comentários:

Paulo Pinto disse...

Assuma-se... o Braga ultrapassou o Vitória pela direita e nem é pela Taça, que nós também a ganhamos...

Mas, enquanto nós embandeiramos em arco e ainda ouvimos um vice presidente a dizer que ainda vai ver essas imagens para se alegrar, achando que aquilo é o zénite a que a sua pequenez pode alcançar, os vizinhos quase foram campeões ( se não fosse a burla dos túneis teriam mesmo sido), foram a uma final europeia, ganharam uma taça da liga e chegaram a duas finais da Taça, ganhando uma...

Entretanto, foram ganhar a Sevilla, arrumaram o Liverpool, deram luta ao Milan e ao Manchester United...

E nós?

Salvo raras excepções, convencemo-nos que o pouco que temos bastava... balanceados na paixão genuína dos nossos adeptos, julgamos que isso bastava...paixão, que por ser tão genuína tornou-se em cegueira, e permitiu olvidar, que com ou sem passivo, estamos a ser empurrados para um lugar que não é nosso!

Por vezes, em tom de brincadeira, digo que o nosso azar foi aquela tarde de 26 de Maio, como teria sido, mais cedo, se aquela cabeçada do Roberto, em Basileia, tivesse valido... no Vitória, tornamo-nos vaidosos dos feitos que vamos conseguindo e parecemos que nos esquecemos do futuro... ganhamos a dita Taça com uma equipa jovem e de futuro, e passados três anos não sobra um jogador desse núcleo duro...

Ora, assim sendo, poder-se-ia pensar que vendemos bem e investimos esse dinheiro, gerando resultados desportivos, que por sua vez, permitiram abater a palavra mais ouvida em Guimarães, nos últimos anos: o passivo...

Grande erro... Vendemos jogadores nesse ano, continuamos a vender nos seguintes e a equipa sempre a decair..ao invés de se aproximar do Braga, a ser subjugada pelo Arouca, pelo Rio Aves, ou pelo Paços de Ferreira... ao invés de ter entendido que, apesar de vender, era necessário gerar outros talentos para continuar a vender, se é que só interessa abater o passivo, passamos a apostar em emprestados, que para além de não gerarem proventos, servem apenas para desunir o balneário e gerar a incompreensão dos sócios.

Por fim o que temos actualmente? Um presidente que, percebe de números mas não percebe de futebol... os encarregados de futebol incapazes de entenderem como o mesmo funciona, atrasando-se na escolha do treinador, recusando-se a substituir um director desportivo que só serve para apertar as mãos aos reforços que lhe trazem e um discurso centrado em que "para o ano é que vai ser, atendendo aos nomes que estamos a pensar.."

Mas é esta a política do Vitória? É este o profissionalismo que nos prometeram aquando da sad? É esta a visão de futuro que tem de se projectar para entregarmos um Vitória melhor aos que nos seguirão?

O Salvador pode ser o que for, e o Braga ter poucos adeptos, mas a verdade é uma: podem estar tranquilos que têm um presidente que quer ganhar tanto quanto eles...e, por sorte deles, é ainda mais insaciável por isso que os próprios..

P.S. Podia dizer muito mais, mas não quero maçar ninguém com os meus pensamentos...
By Vasco Rodrigues

Raquel Ferreira Veiga disse...

Por muito que me custe admitir (e custa!) o Braga tem crescido desportivamente nos últimos anos e era uma vitória expectável que ia acontecer mais tarde ou mais cedo. Uma estrutura muito bem concebida que tem garantido excelentes campanhas ao Braga não só no Campeonato mas também na Liga Europa, Taça de Portugal e Taça da Liga. Embora os erros do Porto no jogo de hoje sejam do mais infantil possível! O nosso rival têm crescido e nós estamos mais ou menos estagnados com as desculpas do costume... Tenho de lhe confessar que já me sinto cansada de tudo isto. Não do Vitória. Nunca do Vitória, mas das desculpas e de todo o mal que lhe tem sido feito e que nos tem empurrado para trás.

Miguel disse...

Boa noite Sr. Cirilo,

Foi uma final com emoção mas tão mal jogadinha, que por vezes até doeu. Penso que seja um pouco ingrato afirmar que o Braga não mereceu, porque o Porto defendendo como defendeu também não merecia ganhar. Por outro lado, a nivel ofensivo o Porto teve mais bola e mais oportunidades, mas não há fio de jogo, não há um futebol pensado. É tudo aos repelões e por vezes lá surge uma ocasião de golo.
Quanto ao Braga, esta conquista é o corolário de um excelente trabalho de António Salvador e da sua equipa. Nos últimos deu um salto de qualidade impressionante e elevou-se a um patamar bastante superior à concorrência. Se o Braga tivesse os adeptos do Vitória, talvez se conseguisse intrometer de vez em quando nas contas do titulo, como aconteceu em 2010. Ou por outro lado, se Salvador fosse o presidente do Vitória talvez também pudesse acontecer essa intromissão.
Por último, o atestado de burrice ao selecionador dado por André Silva. Aqui não concordo consigo, porque Fernando Santos é uma marioneta que faz o que lhe mandam. Na FPF, desde que me lembro sempre foi assim e sempre será.

Anónimo disse...

Antes de mais os meus parabéns a todos os braguistas uniclubistas. O braga limitou-se a aceitar as ofertas do adversário e jogou com as armas de que dispunha, daí ser, na minha mais modesta opinião o justo vencedor. É invejável o crescimento do braga na última década. Um dia o seu presidente queria os nossos adeptos, eu queria um presidente como ele.
Saudações vitorianas a todos os braguistas.
Cumprimentos
FF

De Guimarães disse...

Classifico o jogo de ontem como a final do degrêdo !
De um lado um Porto (excepto uns poucos)sem força,sem caracter,sem identidade,perdido,e,sem qualidade !
Do outro o Braga que mais uma vez perdeu a oportunidade de passar definitivamente a um patamar acima !
Apesar da qualidade,e,do potencial,que as equipas deles vem tendo desde há alguns anos...Tal como na final do ano passado,e de outros jogos decisivos...Continuam a encolher-se,e,a demonstrar falta de estofo.Desta vez tiveram a sorte que não fizeram por merecer.
Também os adeptos,continuam a deixar a desejar tanto na quantidade como na qualidade,e,intensidade de apoio.
Esperemos,que,para beneficio da competitividade das competições deste País,aproveitem esta oportunidade para crescer efectivamente.
Um Braga embalado também não faria mal ao Nosso Vitória,que faz muita faísca,mas lhe falto algo para arrancar em grande,e,ser cada vez maior como nós sabemos,e,sentimos que mais tarde ou mais cedo virá a ser !

cards disse...

Caro Luis Cirilo,
Com Casillas seria a mesma coisa. em Guimarães, Braga e Moreira de Cónegos jogou Casillas e houve em todos esses jogos frangos de Casillas.

Anónimo disse...

Caro Luís Cirilo.


Atualmente, a melhor comparação que li sobre o Vitória e o Sporting C.B. foi a do anónimo FF:

"Um dia o seu presidente queria os nossos adeptos, eu queria um presidente como ele."

Acredito que se tal acontecesse teríamos mais sucessos.

Como as coisas estão, receio que um dia até em adeptos nos ultrapassem.


Fernandes.

luis cirilo disse...

Caro Paulo Pinto:
Estou de acordo. E se ler o que hoje escrevi no blogue verá até que ponto concordo com a opinião expressa.
Se queremos voltar a ser o que sempre fomos temos de mudar muita coisa. E depressa.
Cara Raquel:
Tem toda a razão.
Realmente há um cansaço em crescendo pelos tiros nos pés, pelos erros de gestão desportiva, pelos lapsos na comunicação e por tantas outras coisas.
Quando é tão fácil dirigir o Vitória e motivar os vitorianos.
"Basta" saber seguir o nosso ADN.
Neste momento olho com enorme pessimismo para tudo isto. Não só porque vejo uma dinâmica de crescimento no Braga que já o leva bem longe nós mas também porque começo a ver muita gente entre nós e eles.
Caro Miguel:
Tem uma reflexão curiosa que partilho. Eles com os nossos adeptos já teriam sido campeões não tenho a mínima duvida.Mas não nos iludamos porque eles também nessa matéria estão a crescer. E os exitos,como a Taça, consolidam esse crescimento.
Caro FF:
Que o Braga soube aproveitar os erros do adversário nem se discute.
E como as finais são para ganhar...eles ganharam.
Claro que os verdadeiros braguistas estão de parabéns e eu já os dei a alguns que sei serem assim.
Caro De Guimarães:
Não foi uma grande final,é verdade, mas foi um jogo interessante especialmente na segunda parte e no prolongamento. Concordo que tal como no ano passado o Braga depois de estar a ganhar encolheu-se e isso ia-lhe saindo caro. Há bloqueios mentais que são difíceis de ultrapassar e o Braga nestas duas finais não conseguiu. Como não consegue, curiosamente, quase sempre que joga com o Vitória.
Seria bom, naturalmente, que esta dinâmica do Braga incentivasse o Vitória a seguir-lhe os passos até como forma d eos voltarmos a ultrapassar. Mas parece-me difícil.
Falta paixão em quem lidera.
Caro cards:
Só faltou dizer que o Casillas é pior que o Helton. Quando não só é bem melhor como é um dos guarda redes de topo mundial nos ultimos 15 anos. Nunca terá é jogado com uma defesa tão fraca à sua frente como este ano.
Caro Fernandes:
É um risco que existe.
Especialmente se eles continuarem a ganhar e a conquistar troféus e nós a perdermos assistências e a fazermos épocas fraquissimas como esta que agora acabou