sábado, fevereiro 21, 2015

Complicou-se...

Ganhar em Paços de Ferreira era muito importante em ordem a poder manter a candidatura ao quarto lugar até pela expectativa de que o Nacional possa atrasar o outro candidato.
Mas não foi possível e se as coisas começam a complicar-se relativamente a esse objectivo até pode ser uma jornada positiva em termos de defesa do quinto lugar caso outros jogos nos corram de feição.
E não foi possível por duas razões fundamentais.
Uma que tem a ver com o estado do relvado e que impossibilitou que se jogasse futebol na maior parte do tempo com notório prejuízo para o Vitória que era a equipa mais tecnicista e que portanto teve maior dificuldade em impor o seu jogo.
A outra tem a ver com a própria equipa vitoriana.
Que entrou intranquila (como é possível uma amarelo aos 50 segundo de jogo sem que nenhum pacense tivesse tocado na bola?),que intranquila continuou como ficou patente no primeiro golo sofrido, e que intranquila acabou ao sofrer um segundo golo em condições algo caricatas.
E para essa intranquilidade terá contribuído a forma como Rui Vitória mexeu mais uma vez no onze fazendo sair da equipa quatro titulares no jogo anterior , fazendo regressar André (naturalmente)  estreando como titulares Otávio e Ivo Rodrigues e apostando (bem) em Tomané que foi dos melhores jogadores da equipa.
Pelo caminho "desapareceram" Alex (porquê?) Álvez (que nem para o banco foi!) Cafu e Sami que viriam a entrar no decorrer do jogo.
Claro que uma equipa que por razões conhecidas já se vira amputada de titulares indiscutiveis denota dificuldades em "digerir" tantas alterações porque os automatismos e a assimilação de processos de jogo não se fazem em dois dias e muito menos quando há uma percentagem elevada de jogadores utilizados que acabam de chegar ao clube.
E a verdade, que contradiz alguns discursos, é que o aumento das opções ao dispor do treinador não tem tido nenhuma correspondência em termos de resultados dado que nos últimos nove pontos possíveis fizemos...um!
Problema de confundir quantidade com qualidade.
Em suma um resultado que noutras circunstâncias até poderia ser interessante nestas acaba por ser algo comprometedor face aos objectivos.
Há que mudar de paradigma.
Porque nesta segunda volta ainda não ganhamos, levamos três empates(dois deles com equipas do fundo da tabela) e duas derrotas, em quinze pontos possíveis fizemos três.
É francamente mau.
E se face ao grande objectivo,que é o apuramento para a Liga Europa, ainda não está nada perdido a verdade é que estamos numa espiral de resultados negativos a que urge por cobro rapidamente.
Cosme Machado fez um trabalho regular num terreno que complicou a vida a todos os intervenientes.
Depois Falamos

10 comentários:

Júlio Vieira de Castro disse...

Sr. Luís Cirilo,

Cosme Machado não fez um trabalho aceitável. Ficou por mostrar um cartão vermelho directo logo nos primeiros segundos de jogo. Fosse ao contrário e estaríamos aqui a brandir a espada de D. Afonso.

O objectivo do VSC está mais longe. Cada vez mais longe. O de outros foi alcançado.

1 Abraço

luso disse...

Sem querer engrossar a crescente onda de contestação ao nosso treinador, interrogo-me, mesmo assim, o que andará na cabeça de RV nestes últimos jogos.
A começar por esta estranha aposta nos três jogadores emprestados, que o homem parece que acha muito melhores que os que já tínhamos no plantel.
É incompreensível, e eu diria mesmo inaceitável, que Alvez, Alex, Tomané, Valente sejam, à vez, varridos da opção de jogador titular, para darem lugar a jogadores que não tinham categoria para jogarem no braga ou mesmo no porto B, equipa que está atrás da nossa no campeonato da 2ª liga.

Só posso aceitar estas aberrações num quadro de apertado condicionamento de opções do trainador, que é como quem diz, num cenário de obrigatoriedade de utilizar os emprestados

Júlio Vieira de Castro disse...

Não deixa de ser curioso as trocas a que os jogadores se têm sujeitado entre titularidade e banco. Ora jogas tu ora jogo eu.

A onda de contestação ao treinador tem como base a aceitação deste contrato aberrante de venda por troca. Reforçado por palavras suas.

Sami fi "corrido" por triste e má figura porque não aceitou que houvesse em braga melhor que ele. Porque havia e há, percebemos agora.

Otávio praticamente não jogou. Por culpa nossa? Não. De Lopetegui que não vê nele "nada de especial".

Ivo Rodrigues é uma "promessa" que não luta por um lugar ocupado por trintões e emprestados espanhóis.

Não tenho que ser eu a "dizer mal". A realidade encarrega-se disso. Não percebo é RV.

Anónimo disse...

Caro Luís Cirilo.

O treinador, cada vez mais, prova que é fraco. Dele, faço duas leituras:

1. Com as opções que tem tomado, e que já todos vimos que não resultam, prova que o que conseguiu na primeira volta não foi por mérito dele. Nenhum treinador (aceitável!) dá a titularidade aos jogadores que vieram em detrimento dos que temos como ele fez. Como é possível o Alex e o Valente não entrarem de caras no 11 com o plantel que temos?

2. Aceito que o treinador esteja condicionado devido ao contracto dos emprestados. Nesse caso, falta-lhe personalidade para assumir isso perante os sócios e bater com a porta. Se ele fizesse isso, a maioria dos sócios batia palmas ao treinador e pedia responsabilidades à direção. Como isso não acontece, a leitura que faço é que ele se está a servir do Vitória, do género, "deixa ver no que dá e pode ser no fim eu vá treinar o clube de Lisboa".

Ele pensa que percebe muito de futebol, mas cada vez me convenço mais que quando sair do Vitória vai seguir o mesmo caminho que o Paulo Sérgio.

Se possível, gostaria de saber a sua opinião sobre o Paulo Fonseca. Ele já passou por cá. Pelo que tem feito no Paços (em duas vezes bem diferentes!), imagino que faria também um bom trabalho aqui.


Fernandes.

Anónimo disse...

Não necessita dissertar muito sobre o resultado, nem tentar retóricas elaboradas para de forma subrepticia tentar colocar as culpas no Rui Vitória ou até nos emprestados, pese embora concorde que ficamos mais a perder do que a ganhar com as saídas e entradas de Janeiro. É muito fácil dizer que sai o Traore entra o Breno, sai o Hernâni entra um da formação, mas a dinâmica da equipa é totalmente diferente sem eles, por isso o mister tem que refazer a equipa quase de novo.

O empate de ontem tem um único responsável : Assis.
É meio injusto dizê-lo porque tem sido um dos melhores nas últimas jornadas. Mas ontem, para ser simpático, foi infeliz . São dois golos que já não se veem nem nos distritais.

luis cirilo disse...

Caro Júlio Castro:
Se o adversário tivesse camisola de outra cor certamente o cartão teria sido também de outra cor. Assim pareceu-me adequado o amarelo. O lance é longe da baliza e muito longe de configurar um lance de golo iminente.
Caro luso:
As razões pelas quais tem apostado nos emprestados do FCP não sei. Mas não é certamente por serem melhores que os que já cá estavam.
Caro Júlio Castro:
Concordo absolutamente. A realidade é uma grande mestra. E sinceramente também não percebo o que vê RV nestes três jogadores.
Caro Fernandes:
Não podemos dizer que o mau é da responsabilidade do treinador e negar que o bom também seja. A primneira volta de excelente nível foi feita debaixo da orientação de RV. Que atempadamente disse que no mercado de Janeiro não devia sair ninguém. Como se sabe saiu muita gente. E a responsabilidade disso e dos flops nas contratações (excepto Valente) dificilmente lhe poderá ser assacada. O pô-los a jogar pode ser imposição mas também pode ser a forma de mostrar a sua revolta. Sei é que no meio disto é o Vitória(e os adeptos) que sofre.
Quanto ao Paulo Fonseca está a fazer o seu caminho. A ida para o FCP foi uma precipitação da sua parte mas o regresso a Paços de Ferreira está a relançá-lo. Pode muito bem vir a ser nosso treinador no futuro. Embora se RV sair no fim da época a minha opção fosse Pedro Martins.
Caro Anónimo:
Pese embora Assis ter feito nove ou dez jogos de excelente qualidade havia quem esperasse o mínimo erro dele para lhe poder cair em cima. Ele ontem teve culpas no primeiro golo não por ter escorregado mas porque a saída foi precipitada. No segundo foi azar puro e simples.
De resto não ando com criticas sub repticias nem esse é o meu género. Ontem RV naõ esteve bem no escalonamento da equipa nem nas substituições. E isso contribuiu largamente para o resultado não ser o que todos queríamos

Anónimo disse...

Se o contrato de empréstimo do Porto exigir que os jogadores joguem determinado número de jogos ou minutos por jogo, então, esta direção do Vitória, não respeita o clube nem os estatutos...

luis cirilo disse...

caro Anónimo:
O que sei sobre isso é que nenhum dos três mostrou ainda mérito para jogar na nossa equipa A.
A partir daí somos livres de pensarmos o que quisermos

Luis Costa disse...

E pouco a pouco as pessoa vão "acordando" da letargia criada pela vitória na Taça de Portugal e vendo as reais capacidades/qualidades de RV.
Nos ultimos jogos quantas vezes RV esteve mal na preparaçao dos jogos, nas taticas, no "onze" e nas substituíçoes ?

E qual a surpresa por estes resultados na 2ª volta ? Já ninguém se lembra da epoca passada ?

Daí ele dizer que esta fase não o preocupa, que é natural e bla bla bla bla.

Como diz o escritor "O caminho faz-se caminhando" e o nosso lá continua . . . rumo ao meio da tabela

luis cirilo disse...

Caro Luís Costa:
Para mim a principal razão desta queda exibicional e pontual tem a ver com as mexidas no grupo de trabalho.
O grupo ficou mais fraco e isso está a pagar-se caro.
Na A e na B...a ver vamos.
Quanto a RV há uma duvida que me persegue e que é a de saber a que se deve a aposta nos três emprestados do FCP sem que nenhum deles tenha mostrado merecê-la. E confesso que não encontro nenhuma possível resposta que me agrade