quarta-feira, julho 01, 2015

Missão Cumprida

Doze vitórias (onze consecutivas), três empates e zero derrotas foi o percurso da selecção nacional de sub-21 que não foi campeã da Europa mas fez um percurso notável desde o inicio da fase de apuramento até a uma final que apenas perdeu nas grandes penalidades.
Ironia terrível esta de não ter pedido nenhum jogo e não ter sido campeã.
Agora, conhecido o insucesso, seria fácil criticar a táctica (jogar quase todo o jogo sem ponta de lança), as substituições (a de Sérgio Oliveira, salvo problema físico, foi estranhissima pelo que estava a jogar e porque é o capitão) ou os escolhidos para os penaltis (especialmente William Carvalho quando ainda havia Bernardo Silva e Iuri Medeiros por exemplo) mas penso não ser isso o que mais releva.
Importa é dizer que não se tendo cumprido o objectivo principal,que era ganhar o europeu, se conseguiram dois objectivos muito importantes e que serão a memória que fica deste europeu e desta equipa.
O apuramento para os Jogos Olímpicos de 2016, no Brasil, onde este grupo com alguns reforços terá certamente uma importante palavra a dizer.
E a confirmação de que nesta equipa e neste escalão etário existe muito talento a pedir uma oportunidade não só na selecção A como nos seus clubes.
E se há jogadores que já estão num plano consagrado, digamos assim, como são os casos de Paulo Oliveira , Bernardo Silva ou Raphael Guerreiro há outros para os quais 2015/2016 poderá ser uma época de grande afirmação.
Muito estranho será se José Sá, Sérgio Oliveira, Iuri Medeiros, Tiago Llori ou Ricardo Esgaio não surgirem em plano de grande destaque ao longo da temporada que se avizinha.
Estes e outros que estão na calha para isso.
Uma palavra final para Ricardo Pereira.
Que fez um belo europeu, jogando no seu lugar, e que merece amplamente que o seu treinador de clube não continue a apostar em estragar um excelente avançado fazendo dele um razoável defesa direito mas não mais do que isso.
Se Lopetegui não percebe a evidencia de que Ricardo é um avançado então mais vale deixarem-no ir embora.
Não faltarão clubes e treinadores que lhe saibam dar o seu justo valor.
Depois Falamos.

5 comentários:

ON disse...

Se até agora, foi do consenso geral, o mérito dado ao Rui Jorge, pela equipa que montou e da forma como a colocou a jogar (embora ache que haviam outros jogadores selecionáveis), também penso que a final poderia ter outro desfecho, se o RJ se mantivesse fiel ao esquema que até agora tinha dado resultado (4x3x3). Não se entende a substituição do Sérgio Oliveira e do Ricardo Pereira, para mim dos melhores no jogo de ontem. O Tozé pouco ou nada acrescentou e o Gonçalo Paciência idem aspas aspas. Por vezes, criticamos treinadores por substituições tardias, e ontem o RJ, fê-las com pressa demais. Não soube gerir as substituições face ao cansaço dos jogadores e à possibilidade do prolongamento. Esqueceu-se que se houvesse prolongamento, já não estava a jogar a melhor equipa no esquema que melhor conhece, que seriam 30 minutos ". Quanto às prestações de alguns jogadores, acho que o William Carvalho tem boa imprensa, para já não passa de um jogador razoável, com muitas quebras no jogo; o Esgaio, vai ter de comer muita sopa (se fosse jogador do Vitória, com aqueles cruzamentos era cruxificado); e a estrela da companhia Bernardo Silva, embora ontem acusou cansaço desde muito cedo; Sérgio Oliveira, Ricardo, Sá, Paulo Oliveira os jogadores que deram suporte a esta equipa, sem eles a equipa seria banalíssima.

Anónimo disse...

"Agora, conhecido o insucesso, seria fácil criticar a táctica (jogar quase todo o jogo sem ponta de lança), as substituições (a de Sérgio Oliveira, salvo problema físico, foi estranhissima pelo que estava a jogar e porque é o capitão) ou os escolhidos para os penaltis (especialmente William Carvalho quando ainda havia Bernardo Silva e Iuri Medeiros por exemplo) mas penso não ser isso o que mais releva."

Tiro-lhe o meu chapéu por este post, especialmente por este trecho, dada a sua posição sobre a táctica do Rui Jorge para esta equipa.

Paulo

Anónimo disse...

Boa tarde
Eu sobre este jogo queria debruçar-me sobre as grandes penalidades.
Ao contrário da ideia dominante,não penso que a deçisão por penaltys tenha algo de lotaria.Na final da taça de Portugal eu disse para quem estava a meu lado que o Sporting ganhava sem problemas, pois acabou o jogo completamente por cima do Braga.
Ontem disse exatamente o mesmo para Suécia pois acabou muito melhor que Portugal.
Por isso trata-se de um problema anímico e psicologico e para tal os escolhidos têm que ter personalidades muito próprias para lidar com estas situações de stress muito particular,devendo isto suplantar a parte técnica,por exemplo o William Carvalho atacou o penalty completamente exausto a probabilidade de falhar, para quem estava atento era total. É um ponto a rever pelos treinadores, em vez de treinarem a marcação dos penaltys em ambientes que nada têm de equiparáveis a uma final,que estudem os individuos que estão sob os seus comandos.

Cumprimentos
J.M.

Pedro Pereira disse...

Caro ON com boa ou ma Imprensa o William Carvalho foi considerado o melhor jogador do torneio. Claro também reconheço que o José Sá e o Bernardo Silva também podiam ter sido. Mas também concordo que por o William a marcar o penalty foi errado. Mas estou orgulhoso pelo que esta seleção fez só não foi tão conseguido o jogo da final enfim abraço

luis cirilo disse...

Caro ON:
De uma forma geral estou de acordo com o seu comentário.
Creio que o treinador mexeu mal na equipa(mais uma vez...)e na questão dos penaltis podia ter feito outras escolhas.
Esgaio,por exemplo, que é um bom marcador de penaltis no Sponting B estava exausto e isso tira discernimento.Teria sido preferível optar por Iuri Medeiros que estava bem mais fresco. Esperemos que os erros cometidos sirvam de lição para os Jogos Olímpicos.
Caro Paulo:
Acho que o positivo se sobrepõe largamente ao negativo. E Portugal fez um excelente europeu que só por falta de competência nos penaltis não venceu. Mas não vi melhor equipa que a nossa.
Caro J.M. :
Estou de acordo. E já escrevi atrás que os marcadores foram mal escolhidos.Quando vi que era WC que ia marcar o ultimo percebi de imediato que o europeu estava perdido. Estava na cara.
Caro Pedro Pereira:
As opiniões de cada um são respeitáveis mas do meu ponto de vista WC nem o melhor de Portugal foi quanto mais do europeu. Do meu ponto de vista na selecção portuguesa em melhor plano estiveram Bernardo Silva (para mim o verdadeiro MVP do europeu),Paulo Oliveira,Sérgio Oliveira e José Sá. Mas a UEFA tem os seus critérios...