sábado, abril 04, 2015

O Nosso 14

Face a um série de resultados menos positivos, e que vinham fazendo perigar o apuramento europeu, Rui Vitória entendeu fazer algumas mexidas na equipa de molde a tentar reencontrar os caminhos do sucesso.
Não se pode dizer que tenha sido muito feliz, pelo menos numa ou noutra alteração, mas também não pode ser acusado de não ter tentado fazer alguma coisa.
Individualmente:
Douglas: Com a segurança de sempre chegou para as "encomendas". Que ainda foram algumas.
Bruno Gaspar: Melhor a atacar do que a defender. Sentiu algumas dificuldades com as movimentações dos avançados arouquenses.
Josué: Está um senhor central e por isso não admira que desperte interesse em vários clubes. Não está isento de culpas nalgumas aflições do ultimo reduto vitoriano.
Moreno: Uma das alterações lógicas de RV face ao rendimento escasso de Kanu nos últimos jogos. Não fez um grande jogo em termos defensivos mas marcou o golo decisivo e isso marcou pela positiva a sua exibição.
Alex: Uma aposta falhada como lateral. Fez falta em terrenos mais adiantados pela sua capacidade de passe e pelo esclarecimento que pautam as suas exibições especialmente num tempo em que os flanqueadores não abundam.
Cafu: Outra alteração na equipa que,do meu ponto de vista, lhe trouxe benefícios claros. Mais garra, mais combatividade, mais pressão sobre o adversário que tinha a bola.
André: Discreto em grande parte da partida. Não jogou mal porque não sabe mas já se lhe tem visto bem melhor. Por vezes dá a sensação que a presença de Otávio o "atrapalha".
Otávio: Continua a não justificar a titularidade. Passou ao lado do jogo.
Bernard: Alterna o bom com a inconsequência. A rematar tem estado infeliz. Um jogador que tarda demasiado em reencontrar-se.
Tomané: O inconformismo habitual, a tentativa de criar laces pelos flancos, mas sem oportunidades de visar a baliza.
Valente: Procurou o golo como homem mais adiantado mas também andou pelos flancos na tentativa de criar espaços. Generoso na entrega ao jogo ao ponte de ter sido expulso por dois amarelos bem mostrados. O primeiro deles revelando alguma inocência.
Sami: Entrou aos 70 minutos. E foi a ultima vez que se deu pela presença dele em campo.
Bouba: Substituiu Otávio naquilo que pareceu uma tentativa de segurar o resultado. Não teve oportunidade de ganhar evidência.
Álvez: Entrou a cinco minutos do fim mas ainda esteve mais em jogo do que os dois colegas anteriormente referidos. Ele sim trouxa benefícios ao jogo da equipa aumentando a acutilância do ataque.
Assis, Kanu, Plange e Ivo Rodrigues não foram utilizados.
E foi assim que vi o jogo dos nossos catorze.
Deixando uma nota final para uma estranheza que não para de crescer e que se prende com a não utilização de Luís Rocha.
Se não jogou hoje vai jogar quando?
Traoré foi embora, Chemmann já se percebeu que não "dá", Breno está lesionado (e não é nada melhor que ele)e ainda assim adapta-se um flanqueador(que faz falta no lugar dele) a lateral ao invés de dar uma oportunidade a Luís Rocha.
Não entendo mesmo.
Depois Falamos

9 comentários:

luso disse...

já disse noutro comentário, e não custa repetir, que os jogadores do porto, pelo que fazem, pelo que não fazem, e pelo que provocaram no balneário, deram-nos cabo da 2ª volta.
quanto ao Luis Rocha, só se pode explicar esta situação com algum problema de balneário em que RV parece estar a especializar-se (veja-se Barrientos, para citar o mais evidente)

José Duarte disse...

Dá-me a ideia, também, que Otávio é um garnisé à beira de André André, mas tem características semelhantes e rouba, por vezes, o poleiro numa zona que o nosso capitão estava mais habituado a pisar.
Espero que o Vitória vá à Liga Europa. Entretanto, que o fim desta época chegue depressa a fim de podermos filtrar a borra da zurrapa que veio de fora com o vinho que estava a maturar muito bem no nosso casco.

luis cirilo disse...

Caro luso:
Os jogadores do Porto não demonstraram até agora valor para jogarem na nossa equipa A. Cada vez que alinham ou entram a substituir um colega perpassa uma clara sensação de frete ao clube portuense.
Quanto a Luís Rocha é cada vez mais escandaloso o ostracismo a que está votado.
No caso do Barrientos,ao que sei, a culpa não é do treinador. Nem do jogador!
Caro José Duarte:
Melhores que Otávio temos na equipa B. Irmos à Europa é obrigatório e será um enorme insucesso se não formos. Mas acredito que vamos. Quanto à próxima época...depois falamos.

Anónimo disse...

Ainda acha realista falar em 4º lugar, Cirilo? Ou aponta o 5º lugar como o objectivo a defender?

luis cirilo disse...

Caro Anónimo:
Realista é defender o quinto lugar. O quarto parece-me inatingível até por força do calendário que ainda temos e do que é realidade exibicional da nossa equipa.

Luis Costa disse...

Além da questão muito pertinente do Rocha, também há outra que é a do Ivo Rodrigues.
Quando chegou, masmo sem treinar foi logo titular de caras em 4/5 jogos.
Agora que já treina com a equipa à algum tempo e certamente já está melhor entrusado, deixou de ser utilizado!!

Será que ele entrou logo no 11, por aquilo que RV viu nele nos jogos do Porto B ?
Será que ele quanto mais treina com RV mais "desaprende" ?
Ou será que afinal RV viu finalmente o verdadeiro jogador que ele (não) é ?

Ficam as duvidas

luis cirilo disse...

Caro Luís Costa:
Realmente é curiosa a forma como ele apareceu e desapareceu da equipa.
Mas confesso que perceber tudo que está subjacente a estes três empréstimos ultrapassa em muito a minha concepção do que é o futebol.
São mistérios atrás de mistérios.
Para mim e, creio, para a generalidade dos vitorianos.

Carlos Salazar disse...

Não esquecer que rui vitória tem que meter sempre 1 pelo menos.
Na altura apostou no Ivo, depois mudou para o sami, depois para o otávio.
a situação é clara, não tem grande mistério.

luis cirilo disse...

Caro Carlos:
Concordo contigo.
A situação é clara.
Não se percebe é a razão pela qual existe.